A Gruta do Lou

O epitáfio de um homem vivo

Ambulância do Samu

Ontem, Dona Morte me fez uma visita.

Saímos de casa com planos de dar um role pela cidade maravilhosa de Sorocaba, sob o sol escaldante que Deus mandava. Mal chegamos ao ponto do ônibus, uns cem metros de casa, fui surpreendido com uma tontura, nunca antes experimentada. Cheguei a sentar no chão, igual aqueles caras que fazem captação de recursos, nas ruas. Aí, num super esforço e apoiado na Dedé, voltamos para casa. A tontura aumentou, transpirava muito e vieram os vômitos. Vários e seguidos. Percebi que não ia passar, não era uma coisa momentânea. Estava sentado no sofá, com a bacia da Duda na mão, afinal era preciso preservar o chão, uma toalha molhada na cabeça e completamente sem forças.

Enquanto a Dedé providenciava uma ambulância, D. Morte apareceu e me convidou a acompanhá-la. Pensei um pouco e respondi: me desculpando e afirmando que pretendia ficar, dessa vez, principalmente para ajudar com o Thomas e não deixar esse mundo com tantas coisas pendentes e não solucionadas. Então ela deu de ombros e se foi, solitária.

Com outra perspectiva (de que não seria dessa vez) fui embarcado na ambulância, para delírio da vizinhança e passei a tarde no Pronto Socorro, tomando soro e medicamentos. A tontura só me largou depois do primeiro frasco. A causa física é desconhecida. Meu coração estava dez (fizeram um eletrocardiograma), a pressão oscilou, mas isso era esperado, nessa situação, os batimentos cardíacos mantiveram-se dentro dos parâmetros normais e a oxigenação no nível máximo. Os médicos querem que eu faça vários exames. Sei não. Mesmo porque, cá comigo, sei muito bem de onde isso veio.

Sou um cara do tipo fortão. Ando meio desleixado, gordo e sedentário. Mas os anos todos que passei praticando esportes e exercícios físicos me deram uma boa base. Claro que penso todos os dias em voltar para essa vida mais qualificada. Talvez isso seja parte do plano para 2008. Vamos ver.

Entretanto, chega a ser assustador como um ventinho qualquer de doença ou mau funcionamento do corpo pode me derrubar, em um piscar de olhos, mesmo com todo esse retrospecto.

Acho que vale a pena lembrar esses momentos e encarar a realidade. Todo mundo tem medo da morte, menos os mestres. Não me vejo como um mestre, muito pelo contrário, mas encarei-a de frente, dessa vez. Chegará um dia que direi a ela: Ok! Vamos nessa. Agora seria sacanagem da grossa com a Dedé e nossos três filhos. Quero vê-los na rota, coisa de pai e não quero sair dessa deixando minha esposa com um monte de contas para pagar, sem casa própria e todas essas preocupações mundanas. Faz tempo que perdi minha inocência, nesse sentido: Deus não moverá uma palha, sem dúvida.

Meu epitáfio deverá conter palavras elogiosas do tipo: Aqui jaz o Lou Mello (o pseudônimo que virou nome) que nunca foi um cara medíocre, arriscou muito, ganhou, perdeu e teve força para levantar, sacudir a poeira e dar a volta por cima. Foi um homem de moral, nunca ficou no chão e jamais aceitou que lhe dessem a mão, embora alguns tenham conseguido. Uma vida dura, sofrida e que, ainda assim, valeu a pena.

Ops: contribuiu Noite Ilustrada

6 thoughts on “O epitáfio de um homem vivo

  1. Querido Lou,
    Passei por aqui para te dedicar Lamentações Jeremias 3
    Meio deprimente mas é assim…
    Nada na nossa vida será em vão…
    Às vezes soa meio “desculpa para boi dormir” mas é assim e assim terá que ser,
    God bless you.
    T.

  2. Que susto Lou… 🙁
    “Levanta sacode a poeira e dá volta por cima…”…todo dia.
    Que canseira mano.
    Desejo com todo o meu coração, que você consiga sair INTEIRO desse ano.
    Deixo meu beijo a Dedé e às “crianças”.
    🙂

  3. Desculpe-me, mas estou conhecendo seu blog agora e nem conheço a sua pessoa. Não tenho nenhuma intenção de ser sarcástico e nem ofensivo, mas, atendendo ao texto, parece que o seu epitáfio não é nada modesto. Eu até gostaria de poder ter tão alto conceito da minha pessoa mas eu me conheço.
    Mas o texto é muito bom…você escreve bem.

  4. Lou,entendemos o ocorrido.Pedimos ao Totalmente Outro por você!Sabemos que você não amarelou,nem vai amarelar.É hora de luta.E vem mais luta por aí ano que vem,Graças a Deus.

  5. Como sempre,a apressada aqui,nem reparou que esse texto era do ano passado.Mas, vale o último trecho que escrevi.É hora de luta.E vem mais
    luta por aí,ano que vem,graças a Deus!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *