A Gruta do Lou

O Criptex

Para todos os lados lanço meu olhar e percebo estar cercado de frases e situações cujo significado desconheço. Enigmas em minha volta, a me cercar como as algas de Jonas, me sufocando e tirando-me o fôlego de vida. Não sei quando me dei conta dessa indecifrável vida pela qual venho caminhando a mais de meio século. Reparo na dificuldade existente nos meus semelhantes, também. Todos estão caminhando sem perceber os sinais e bônus por todos os lados. Não podem decifrar suas vidas agora porque, lá atrás, não obtiveram as moedas e os coringas capazes de lhes abrir passagem à próxima fase.

Jesus, mestre Galileu do primeiro século, em certo momento de sua jornada errante, desatou a esbravejar em parábolas, sem perder a doçura, mas com firmeza. Ao narrar esses acontecimentos, o escritor do evangelho de Mateus, em meio ao capítulo 13, diz: “Tudo isso disse Jesus por parábolas à multidão, e nada lhes falava sem parábolas, para que se cumprisse o que fora dito por intermédio do profeta” Cita, então, o salmo 78:2: “Abrirei em parábolas a minha boca, proporei enigmas da antiguidade.” Em algumas versões, o versículo aparece em parte, não sabemos por que.

Tudo parece confuso. Sigo sem entender os acontecimentos. Não compreendo a importância deles e mais, minha sensação é de nada a ver. O tempo todo me pego pensando contrariado quanto a essas situações constrangedoras e desnecessárias as quais vou entrando e saindo, como se estivesse afundando em areia movediça, para o que não vejo razão ou significado. Dizem os sábios: Deus fala o tempo todo sem cessar. Fico, então, com aquele gosto amargo de quem deva ser uma exceção a esta regra. Penso: fala com os outros, mas não comigo.

Enquanto não entendo as parábolas do meu viver me entristeço e sigo deprimido, com diagnóstico do terapeuta a comprovar a minha sandice. Quando acho um ou outro significado, coisa rara, alegro-me e atesto a falta de exatidão e serventia desses profissionais das catástrofes e do desespero. Talvez o enredo do livro de Dan Brawn, O Código da Vinci seja muito falacioso, se bem que não penso assim, mas em um detalhe ele é preciso, o segredo está escondido atrás de enigmas e parábolas guardados em criptex, a serem decifrados, profetizados a milhares de anos pelos profetas e praticados pelo Mestre de Nazaré. Ele repetiu palavras como: olhe, ouça, escute, perceba, etc., em profusão. Fez suas prédicas lançando novos enigmas e parábolas como se dissesse: aprendam de mim, pois sou manso e humilde.

Em dado instante, descubro o enigma que sou e, sequer, me desvendei. Quanto mais os enigmas em meu caminho. Não são porquês, mas enigmas a desvendar.

12 thoughts on “O Criptex

  1. Olha,não são mesmo os simplórios,os ignorantes,as pessoas mais crentes em Deus?As vezes temos de deixar os enigmas de lado e acreditar pra valer que Deus fala mesmo o tempo todo sem cessar(mesmo quando parece que estamos no meio do deserto) e que se formos mansos e humlides de coração,pararemos para olhar,ouvir,perceber, escutar,e então entenderemos o que Ele quer falar pra nós.

    Pode comentar mesmo que o meu comentário tenha sido irrelevante,ou meio simplório.

  2. Achei lindo e muito profundo este teu texto, que vem das entranhas da alma e do espírito…

    Muitas vezes me sinto no meio de um furacão, sem saber bem o que está a acontecer.

    E se bobear, haverá muitos amigos de Jó, com o dedo em riste, para me acusar, e piorar a situação, sem notarem a trave nos olhos deles…

    Então me calo, choro em meu coração, sem que percebam a minha tristeza; não para parecer uma heroina em meio aos escombros, mas para me preservar e não me sentir pior do que estou…

    E peço a Deus o caminho a seguir, a direção a tomar, que me levará a sair daquela situação… e aprender o que devo através dela.

    E isto não é fácil, às vezes envolve orgulho a quebrar, convicções a rever, muito perdão a pedir e a oferecer… Muitas coisas, que não conseguimos ver, não queremos ver… Afinal, o que pensarão de nós?

    Mas, em tudo isto, procuro não me afastar do Senhor, do Deus da minha Salvação, pois sei que o meu Redentor vive, e que eu também viverei!!!

    Muitas coisas só compreenderemos depois… A Deus pertence…

    Uma coisa que demorei anos para entender no livro de Jó, foi que ele reclamou muito com o Senhor, e continuava a ser considerado por Ele fiel… É que, em todas as situações terríveis pelas quais passou, nunca ele amaldiçoou a seu Deus, nunca voltou atrás em sua convicções básicas, apesar de não estar entendendo nada daquilo por que estava passando.

    Abçs consoladores
    Carmen

  3. Lou, quando eu penso que consegui desvendar um enigma, e saboreio uns dez minutos de conforto, na sequência descubro que foi só uma parte do enigma, e minha vida segue, mergulhada em profunda escuridão. Morro de inveja das pessoas que caminham pela vida resolutas, dando a impressão de que decoraram todas as falas do texto. Eu ainda nem achei o texto.

  4. Ai Lou, que bestas os meus comentários, não é de se espantar que nenhum de seus leitores me siga, salvo umas poucas abençoadas.

  5. Ai,vc tem emprego(mesmo que vc naum goste)?Tem Pc e tem net(mesmo que vc naum utilize)?Tem comida todos os dias em sua mesa(mesmo que em pouca quantidade)?

    Sim, essas coisas desnecessárias nós as temos. O que Deus parece nos discriminar é quanto à sua presença, suas revelações e seu dedo em riste. Entendo ser este um texto complexo, afinal estamos trazendo parábolas e enigmas à baila. Será que depois de tanto tempo, ainda não teriamos entendido os propósitos do Criador e seu filho rebelde?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *