Missões, de Jerusalém até os confins da Terra.

Venezuelanos fazem fila para receberem atendimento na sede da PF em Boa Vista

Sou do tempo em que se fazia “missões”. Não que hoje não façam, mas os conceitos mudaram. Também não sou dado a saudosismos. Há itens legais dos velhos tempos e há os atuais legais, também.

Alguém abriu um link (ao vivo) no Facebook com um repórter do Estadão entrevistando um funcionário do Ministério da Educação. O tema era a implantação de regime integral nas escolas de ensino médio, em todo o território nacional.

Isso me fez lembrar um dos maiores acionistas da Mercedes Benz e um belíssimo texto sobre o futuro do planeta onde, na opinião dele, tudo virará aplicativos. Enquanto isso, esses vagabundos querem internar os meninos e meninas ainda mais tempo nesses antros que chamam de escola, com camisinhas disponíveis à vontade e escolaridade no chão. Ainda se fosse um Ginásio Vocacional Oswaldo Aranha, onde estudei, vá lá. Mas com a concorrência dos aplicativos, as escolas estarão todas mortas, em pouco tempo. Esquece.

Sei lá, acho melhor citar os objetivos da Missão Cristã. Segundo Jesus a Missão é:

Ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo; ensinando-lhes a obedecer a todas as coisas que vos ordenei. (Mateus 28: 19 a 20).

No capítulo 10:1, Mateus relata: Chamando (Jesus) seus doze discípulos deu-lhes autoridade para expulsar os espíritos impuros e para curar todo tipo de doenças e enfermidades;

e no mesmo capítulo, vs 5 a 42:

5 Jesus enviou estes doze, e lhes ordenou, dizendo: Não ireis pelo caminho dos gentios, nem entrareis em cidade de samaritanos;

6 Mas ide antes às ovelhas perdidas da casa de Israel;

7 E, indo, pregai, dizendo: É chegado o reino dos céus.

8 Curai os enfermos, limpai os leprosos, ressuscitai os mortos, expulsai os demônios; de graça recebestes, de graça dai.

9 Não possuais ouro, nem prata, nem cobre, em vossos cintos,

10 Nem alforges para o caminho, nem duas túnicas, nem alparcas, nem bordões; porque digno é o operário do seu alimento.

Veja o texto completo aqui: Mateus 10:5-42

Em Atos dos Apóstolos, pouco antes de ser levado às alturas, Jesus disse:
Mas recebereis poder quando o Espírito Santo descer sobre vós; e sereis minhas testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judéia e Samaria, e até os confins da Terra.”

Muito estranhos esses textos. Das duas uma, ou os missionários e as missões receberam outra coordenada direto do céu, ou esses caras erraram o caminho com força.

Tava assistindo um dos jornais da TV e me dei conta quantos problemas estão pipocando aí pelo mundo a fora. Aqui em São Paulo aquela tal de Cracolândia, onde centenas de viciados em crack estão vivendo em alguns quarteirões e sendo explorados por traficantes, como massa de manobra política e sem a menor condição de decidirem o que é melhor para suas vidas. A drogadicção é um mal (doença) a ser curada e quem está pronto (capacitado) para curar os adictos da cracolândia? Médicos? Psicólogos? Para esses não há cura possível para esse mal. 

Terreno próximo à estação da Luz em São Paulo, após demolição dos imóveis onde os usuários de drogas usavam como abrigo.

Em Roraima, cidade de Pacaraima, milhares de venezuelanos atravessando a fronteira buscando refúgio por lá, tentando conseguir asilo no Brasil. Enquanto não sai, estão vivendo pelas ruas da cidade, dormindo ao relento, a maioria vivendo de esmolas e da caridade do povo local.

Quem está cuidando dessa gente? As prefeituras pobres de cidades esquecidas? O PT é que não está, muito menos o Stédile e seu exército de Sem Tetos. E os missionários? Os poucos por lá só fazem tentar converter venezuelanos para suas igrejas, se muito. 

Pedidos de refúgio em Roraima

Dados levantados nessa terça-feira (13) a pedido do G1 mostram que a quantidade de solicitações de refúgio feitas em 2017 em Roraima já é consideravelmente maior do que a registrada em todo o ano passado, quando pouco mais de dois mil venezuelanos fizeram o pedido, representando um aumento de 159%.

Até março eram mil pedidos de venezuelanos e 5 mil agendamentos para solicitações, enquanto que nos meses de abril e maio foram formalizados 3.773 pedidos. Agora os agendamentos foram suspensos e todos convocados a formalizar a solicitação. Para dar conta da demanda, a sede da PF trabalha com efetivo reforçado.

O aumento no número de pedidos não é novidade. Desde 2015 tem aumentado sucessivamente o número de solicitações de refúgio recebidos pela PF por parte de venezuelanos que deixaram o país natal e cruzaram a fronteira com o Brasil por Roraima.

Em 2014 foram apenas nove solicitações de refúgio feitas por venezuelanos no estado. Já em 2015 esse número cresceu para 230 e chegou a exatos 2.230 em 2016.

O Ministério da Justiça também aponta um aumento sensível no número de pedidos de refúgio de venezuelanos em todo o Brasil. Só até maio deste ano, a quantidade de solicitações já tinha dobrado, totalizando 8.231 solicitações. Durante os 12 meses de 2016 foram 3.375 pedidos.

G1 solicitou o total de pedidos e de solicitações de residência temporária feitas em todo o país até o dia 13 deste mês, mas a PF informou que apenas o Comitê Nacional para Refugiados (Conare) poderia fornecer tais dados. A reportagem não obteve retorno do Conare.

O pedido de refúgio é o caminho mais rápido e seguro para legalizar a situação no Brasil, mas depende de análise do Conare, o que costuma levar algum tempo. Prova disso é que até agora, apenas cinco solicitações de refúgio de cidadãos venezuelanos feitas em Roraima já receberam algum tipo de resposta.

Já o governo do estado, em levantamento próprio, afirma que 30 mil venezuelanos entraram em Roraima desde 2016.

Pedidos de residência temporária

De acordo com a Polícia Federal em Roraima, em três meses também foram recebidas 124 solicitações de venezuelanos que desejam obter residência temporária no Brasil.

Pedidos 2.230

Fonte: Polícia Federal


Venezuelanos índios da etnia Warao em abrigo na capital Boa Vista

Na África, várias populações estão deixando suas cidades e países em busca de algo melhor na Europa. Do Oriente Médio, Sírios, Iraquianos e outros povos, igualmente, buscando um lugar ao sol europeu. Muitos já vieram para cá, também.

Ué? Cadê os missionários que deveriam estar lá cumprindo a Missão dada por Jesus de Nazaré? Só se for os Médicos Sem Fronteira que podem ajudar aos 30% da população africana infectada com o vírus da AIDS, mas eles não são capazes de ressuscitar ninguém, muito menos dar ao povo o amor de Deus que eles também não tem, salvo exceções mínimas. 

Refugiados Africanos tentando chegar à costa italiana

Se olharmos para os textos acima e compararmos com o que está sendo feito pelas missões e os missionários, quase nada bate. Quando vão ao encontro deles em suas origens, tratam de outros assuntos. Levam médicos, medicamentos, psicólogos e nada conforme as orientações de Jesus Cristo ou do Espírito Santo.

Ele não instruiu para levarem médicos e sim para curar os enfermos. Médicos até podem curar com remédios, mas quando a morte chega eles nada podem fazer. Tampouco conseguem identificar demônios e/ou expulsá-los. Pior, a maioria recebe pelo serviço, ao menos só fazem se tiverem passagem e estadias pagas. Meu, onde está escrito isso na Bíblia?

Quer mais? Esses “new missionaries” correm enorme risco de morte e outros perigos abrigando pessoas que podem não estar bem intencionados, como estão fazendo várias missões por todos os lados. E a razão disso é única, não estão cumprindo a missão dada por Cristo, mas estão seguindo instruções anátemas.

Quando estava estudando teologia em uma faculdade de uma das mais importantes denominações cristãs, fiquei estarrecido com a agenda exposta por certo professor. Ele não cansava de dizer que precisávamos fazer missões nacionais e internacionais para adensar a igreja deles.

No Brasil, tínhamos as pessoas e fora do Brasil, obviamente no primeiro mundo, as pessoas capazes de ajudar na manutenção da Igreja aqui. E nem se deu ao trabalho de amenizar na forma de dizer essas monstruosidades. Ora bolas, “adensamento”? Então foi por isso que Ele foi crucificado? Que horror!

Enquanto isso, o povo no planeta vai se multiplicando e, a cada dia que passa, mais longe ficamos de cumprir a meta, digo, a missão. Não estamos, nem de longe, fazendo o trabalho duro e ao mesmo tempo simples que o Mestre nos pediu para fazer. Estamos todos nos caminhos equivocados de Jonas, hora no navio que vai no sentido contrário de onde devíamos ir e hora na barriga do peixe, lutando contra algas e a falta de ar.

Interessante a tal nova conversa mole chamada de Missão Integral, a mais nova invenção de “evangelho” liberal (pra não dizer comunista, se não me engano). Gostaria que eles me definissem “Integral”.

Mas se vierem com aquela lenga lenga de dar sopa para os pobres, vagas na base de cotas nas universidades para os tais excluídos, LGBTs, quilombolas e toda o pacote de maldades que não tem nada a ver com a Missão.

Apóstolos da Missão Integral

Essas coisas preocupam, mas não fazem parte da nossa missão. Essa praga está se multiplicando por aí e, infelizmente, tragando amigos e estranhos. Nada nos impede de ajudar em todas essas causas, pois sempre estarão entre nós, mas não podemos nos enganar sobre o significado delas em termos da missão.

Missão Integral de Jesus Cristo é a que está descrita nesses textos bíblicos citados. O resto é inaceitável em termos do mandamento missionário de Jesus de Nazaré, como o barco que Jonas tomou, bem ao contrário do seu porto de destino real. Espero que abandonem esses desvios e voltem à verdade e à vida, aqui, ali e em todos os cantos do planeta. Assim fez Jonas, depois de lutar contra a vontade divina.

No fim, a vida eterna e a vitória.

 


Author: Lou Mello

Olha só, pessoal assíduo na Gruta (carinhosamente grutenses) já está careca de saber quais são as minhas graduações e tentativas de pós, etc.

Pessoalmente, dou pouco valor a tudo isso. Escolas e Universidades praticam o monopólio dos diplomas e a ajuda é sempre muito relativa. Estudei a Bíblia e ainda o faço, dei aulas em várias escolas teológicas, até o pessoal encerrar minha carreira, nessa área. Acho que não me achavam adequado, sei lá.

Valorizo muito mais os meus mentores, tais como Dr. Russel P. Shedd, Dr. Zenon Lotufo Jr. e Dr. Dale W. Kietzman.

Meu espírito é missionário. Plagiando o Amir Klink, “Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para desejar estar bem sob o próprio teto.
Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”. Eu viajei e ainda pretendo viajar.

Atualmente, continuo acalentando o Projeto Corações Valentes, embora ele não tenha vingado ainda. Talvez sinta falta do Thomas, tanto quanto eu sinto.

Além de lecionar (Ef. Física e Teologia), ensinei organizações não lucrativas a fazer amigos para ter sustento e, também, tentei ajudar as pessoas a crescerem através da mudança comportamental. Sonho em treinar professores em prática de ensino, quem sabe…

A Gruta surgiu como a forma ideal para a prática de algo que sempre gostei muito de fazer, ou seja, escrever e me livrar dessa coisa interior que pressiona meu peito com potencial para me matar. Tenho alguns projetos de livros em andamento, quem sabe ainda edito um ou alguns deles, antes de fazer a travessia.

Gosto música, literatura em geral, educação, astronomia (minha segunda paixão secreta, Ih falei).

Sou o principal leitor de tudo que escrevo. Ter leitores sempre foi algo inimaginável para mim, e ainda me surpreendo com as pessoas lendo meus escritos, comentando, enfim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *