A Gruta do Lou

Eis o homem: eu


A primeira parte da missão foi cumprida. Só falta mais um fim de semana. No fim valeu a declaração do Pr. Neto: “Nós o temos recebido como alguém que vem arrumar nosso microcomputador e dessa vez queríamos recebê-lo como um homem de Deus.”

Muitas pessoas não puderam comparecer. Da próxima vez, faremos no auditório vip de uma livraria famosa no Shopping Morumbi. Aí ficará mais fácil para todos.

Eu havia sido dispensado injustamente da Missão Portas Abertas, mesmo sendo um dos que mais trabalhava ali, naquela época.

O pessoal da Operação Mobilização organizou um grande congresso sobre Missões no Colégio Batista Brasileiro, naqueles dias.

Como virei preletor repentinamente

Dois caras que herdaram minha função iam fazer a primeira palestra em meu lugar. No caminho, sofreram um acidente automobilístico. Eu estava na platéia aguardando para ver como eles se sairiam. O pessoal da Mobilização resolveu me chamar e me pediram para substituir os rapazes acidentados.

Como não era mais da Portas Abertas, não divulguei a missão, nem poderia. Fiz uma palestra sobre o tema proposto. Nunca mais me convidaram depois dessa. Talvez tenha sido alguma coisa a ver com meu jeito despojado, para se ter uma ideia, sentei na beirada do palco. Quem sabe algumas afirmações que fiz contra os missionários norte-americanos os tenha desanimado, mas ninguém me falou nada.

Nunca entendi esse negócio direito. Afinal, missões para essa gente é proselitismo descarado. Vá lá e mude a religião deles para a nossa. Maldito Aristóteles. Para conquistar uma nação é preciso mudar a cultura dela para a nossa, inclusive, ou principalmente, sua religião. E os caras acreditaram.

Ultimamente, não se fala muito sobre o assunto. Caiu de moda. A filosofia e a psicologia estão em alta, entre nós. Já ando arrependido de citar meus prediletos. Enfim, a certeza é enlouquecedora. Principalmente quando a certeza é que o bom velhinho sumiu.

Mas sempre haverão os cretinos necessários. Dentre eles sairão muitos missionários, como eu saí um dia. Veja o resultado de tamanha cretinice.

Melhor é ficar na Gruta e de boca fechada. Assim não entrará mosca.

Powered by ScribeFire.

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

1 thought on “Eis o homem: eu

  1. Nada disso, anunciemos a tempo e fora de tempo. Tô nem aí pro que pensarem de mim. Não vamos agradar a gregos e troianos mesmo, enquanto isso convencemos por aí.
    Gruta!! Gruta!!! Gruta!!!! Vamos à Gruta!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.