A Gruta do Lou

Metamorfose Angustiante

021209-1306-metamorfose1

*Nessa minha caminhada rumo ao estado inseto, os velhos sentimentos hostis são coadjuvantes, apenas. Rejeições, traições, indiferenças e preterimentos tinham mais importância quando era essencialmente humano. Conforme fui ganhando esse aspecto nocivo, meio mosca meio barata, o nojo, a repugnância e o desejo de matar tornaram-se os protagonistas. Desde que meu pai tentou me matar arremessando aquela maçã podre, me dei conta de meu real estado, definitivamente.

A cada novo dia, a angustia produzida por essa sensação de que a vida está por um fio ou alguma nova má notícia chegará assumiu o controle completamente. O Raul Seixas chamou a metamorfose dele de ambulante por absoluta falta de recursos em seus arquivos. Depois de olhar no espelho e vislumbrar o besouro peçonhento em que se tornara, sentiu sua humanidade se esvaindo inapelavelmente.

Não somos nós os únicos seres em transformação, da espécie perfeita para outra, muito mais nojenta e inaceitável. Em certo grau, todos estão metidos nesse processo.

Como o personagem kafkaniano, diversos fatores contribuem para nos distanciar de nossa forma original. Entre elas, os maiores colaboradores para a nossa mudança sinistra se efetivar são os jovens e sua tendência rústica e maquiavélica em fustigar-nos impiedosamente, sobretudo ao humilhar-nos em nosso envelhecimento, usando, parta tanto, o vigor da mocidade.

Também nós enviamos muitos seres humanos para o ralo na forma de insetos, quando éramos jovens. Parece ser uma lei natural compulsória e inapelável. Estamos recebendo o prêmio por nossa amabilidade para com os indefesos e mal tratados animais nocivos sobre suas bengalas.

Se Deus gostasse de pessoas mais velhas, na terceira idade, na meia idade, ou seja lá a classificação falsa usada, teria feito um salvador de barbas brancas, experiente e repleto de paciência e longanimidade. Para Deus, de velho basta ele próprio. Enviou seu Emanuel na forma mais inaceitável, no vigor da idade, antes de metamorfoseá-lo quase instantaneamente com a ajuda da hostilidade sagaz dos soldados romanos.

Conosco o processo se dá mais lentamente, a cada dia uma nova desgraça peçonhenta é acrescentada no lugar da beleza e da alegria. Essa mudança lenta e angustiante garante todo o sofrimento necessário a satisfazer a sede de sangue e dor dos anjos da morte.

Não se iludam, aqueles a quem mais amamos, não só presenciaram o início de nossa metamorfose angustiante, como contribuíram para sua instalação e ainda darão o golpe de misericórdia colocando nosso corpinho peludo e cheio de patas horripilantes na terra, onde seres em nosso estado final preferem viver. Ali, nos transformaremos em milhares de insetos e voltaremos, em legiões, para atazanar a vida de nossos algozes.

Deus não deseja nos salvar, antes seu plano é vingar-se do seres que ele próprio criou e tornaram-se seus maiores inimigos através da traição. Claro que sou malandro o suficiente para não sair por aí falando mal do Pai Eterno. A Ele dedico meus melhores adjetivos em uma insana tentativa de obter o maldito pão de cada dia ou um pouco mais.

*Anotações realizadas na mesa de um “buteco”, enquanto um velho bêbado imundo e destemperado vomitava esses impropérios. No final, deixei uma nota de cinco reais ao lado da mão direita dele.

5 thoughts on “Metamorfose Angustiante

  1. Incrível meu amigo, semelhante essa experiência sua, Deus tem me exortado mais nesses botequins, do que nesses estabelecimentos religiosos. Por acaso o amigo teve o cuidado de examinar tal teofania? Tu sabe né, nunca sabemos quando, e como, o Galileu apronta.
    Manda esse velho vomitar esses impropérios por aqui!
    Grande abraço.

    Quando fizeres a esses pequeninos, a mim o fizestes.

  2. Raulzito, tratou logo de achar um meio(meio insano, mas e daí?)para
    antecipar a metamorfose final…
    O “velho bêbado”, também não está acomodado…

    Se, encontrar o “velho” novamente, dá um abraço apertado nele, pode
    ser mais eficaz que os cinco pilas.

    Acho que estamos vendo a nós mesmos quando estamos diante dessas figuras. As cinco pilas são a medida do nosso coração.

  3. Velho bêbado que leu Kafka eu nunca tinha visto.

    Jesus devia ser assim tipo um gato, e muito saudável pra caminhar tanto por aquelas bandas empoeiradas e de sandálias.

    Essa foto é uma eca.

    Se colocarem meu corpinho horripilante na terra menos mau, pior é colocarem num asilo.

    Já vi bêbados muito ilustrados. Como disse, Jesus foi exatamente o que Deus queria que ele fosse. Quanto ao ponto final, você está correta nas duas opções.

  4. Lembro-me de um documentário que um jornalista inglês fez sobre o trabalho de Madre Tereza na India.Vendo-a,lidar com leprosos,realmente por a mão neles,perguntou como ela tinha coragem de fazer aquilo,ao que ela respondeu,psiu!Eles são Jesus disfarçados…Alguma semelhança?

    Não disse? Ela derrapava feio, sorte era ser danada de simpática.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *