Manual de emer­gên­cia do obser­va­dor de catástrofes

A cons­pi­ra­ção contra a raça humana (2010), de Thomas Ligotti, foi recebido como o livro mais pes­si­mista de todos os tempos, tendo entre outros méritos inspirado os discursos do policial niilista da primeira temporada de True Detective. Thomas Ligotti é um escritor que me deixa otimista com relação às pos­si­bi­li­da­des da lite­ra­tura de horror; seus textos de ficção, reunidos em outros livros, são a única coisa con­tem­po­râ­nea que chegou até mim e se aproxima da vertigem que é Lovecraft.

Na qualidade de pes­si­mista, no entanto, Ligotti tem ainda muito a aprender. Comigo.

Diversas vezes tive de inter­rom­per a leitura de A cons­pi­ra­ção contra a raça humana para balançar ceri­mo­ni­al­mente a cabeça e refletir sobre o estado deplo­rá­vel do pes­si­mismo con­tem­po­râ­neo. “Então esse é o pior cenário que Ligotti consegue conceber?”, eu pensava. “A vida não faz sentido, mimimi? Púats, que amador.” A cons­pi­ra­ção é um livro curioso, mas encontro fonte mais segura de desespero e de horror naquelas contas de frases moti­va­ci­o­nais do Instagram.

Como eu ia dizendo, sou o cara mais pes­si­mista que conheço. Tomando Ligotti como parâmetro, não tenho qualquer evidência de que não sou o cara mais pes­si­mista que já existiu. Como os pes­si­mis­tas genuínos (está ouvindo, Luiz Henrique), falo raramente sobre o meu pes­si­mismo – porque, natu­ral­mente, não adianta.

Se toco no assunto é porque estes são dias gloriosos para nós, obser­va­do­res de catás­tro­fes. Chegou a hora da retri­bui­ção, inclusive para nós.

É há décadas (milênios?) que pes­si­mis­tas bem infor­ma­dos (em outro tempo o ofício do pes­si­mismo era chamado de profético) vêm dizendo que a assolação estava chegando para cobrar as nossas pro­mis­só­rias e as pro­mis­só­rias que nos deixaram as gerações. Mas agora que a casa está caindo, tudo ruindo e começando tudo a carcomer, é tarefa difícil escolher para onde olhar.

Para o isento obser­va­dor de catás­tro­fes, qual cenário apo­ca­líp­tico deve ter a pre­ce­dên­cia? Devo dar con­ti­nui­dade às crônicas dos conflitos no Brasil, retomar o estado emble­má­tico da Europa ou começar a falar sobre o Estado Islâmico? Encontro quem sabe tempo para falar sobre o clima?

Século vinte, você acha que empurrar uma Guerra Mundial atrás da outra serviu para garantir a sua pre­ce­dên­cia na calçada da infâmia? A propósito, você chama aquilo de Guerra Mundial? Veja isto e aprenda.

Diante do número de per­so­na­gens e da com­ple­xi­dade dos cenários apo­ca­líp­ti­cos, mesmo o mais expe­ri­men­tado pes­si­mista pode precisar de ajuda para preencher as linhas pon­ti­lha­das e decupar os conflitos. Con­si­de­rando que este é o último espe­tá­culo da Terra, seria grave des­per­dí­cio você não saber para onde olhar. Para sua con­ve­ni­ên­cia, deito aqui um breve

Manual de emer­gên­cia do obser­va­dor de catástrofes

Crise de refu­gi­a­dos na Europa? Índios arro­cha­dos no Mato Grosso do Sul? Mercado inter­na­ci­o­nal seques­trado pela depen­dên­cia da China? Guerra no Oriente Médio entra para o Patrimô­nio da Huma­ni­dade? Crise de abas­te­ci­mento de água em São Paulo? Proposta da ONU para incluir o des­ma­ta­mento da Amazônia na lista de direitos humanos? 2015 é já o ano mais quente jamais regis­trado? Fracasso econômico da política desen­vol­vi­men­tista do PT está sendo corrigido com mais e mais acelerado desenvolvimentismo?

As veias abertas do Apo­ca­lipse são tantas e suas hemor­ra­gias tão exu­be­ran­tes que nenhuma lista será completa o bastante para guiar a atenção do obser­va­dor de catás­tro­fes. A vantagem é que, macro ou micro, a catás­trofe que o amigo pes­si­mista escolher observar estará con­ve­ni­en­te­mente submetida à mesma e didática lógica fundamental.

1 Você está olhando para os resul­ta­dos de uma monocultura

A história das economias locais demons­trou vez após outra que é insen­sa­tez acreditar que há esta­bi­li­dade nas mono­cul­tu­ras. Quando uma mono­cul­tura dá errado, tudo debaixo da sua esfera de influên­cia dá errado (pergunte ao ciclo da borracha, ao do café). No século 21 estamos colhendo pela primeira vez os frutos impen­sá­veis (ou, melhor dizendo, a impen­sá­vel infer­ti­li­dade) de uma mono­cul­tura global.

Em algum momento pro­ces­sual do século vinte, como resultado da invenção da ideia de país sub­de­sen­vol­vido, as culturas do globo deixaram de se acreditar sufi­ci­en­tes. Países e civi­li­za­ções inteiras tinham vivido por milênios debaixo da noção (e retro­a­ti­va­mente enten­de­mos o quanto essa noção era sub­ver­siva) de que seus modos locais de fazer e de olhar o mundo tinham legi­ti­mi­dade inerente, e vantagens inerentes sobre as soluções de outras culturas.

Todas essas pers­pec­ti­vas se deixaram esmagar pela mono­cul­tura do capi­ta­lismo global e urbano. Que o mundo inteiro esteja desejando as mesmas coisas é por si mesmo uma for­mi­dá­vel catás­trofe, mas dessa fonte bebem todas as outras.

2 Você está olhando para os resul­ta­dos de uma crença sem fundamento

A mes­qui­nha­ria branca foi sempre embalada por alguma sorte de crença prag­má­tica, sem qualquer cor­res­pon­dên­cia com as hesi­ta­ções e pausas da poesia. Os ingre­di­en­tes são os mesmos, mas nova é a embalagem, a ideia de promover crenças con­ve­ni­en­tes e sem fun­da­mento pelo método manhoso de chamá-las de racionais.

Os conflitos que assolam a presente iteração da Google Earth nascem das impli­ca­ções e com­pli­ca­ções de um único artigo de fé:

A crença de que os bens a que tem acesso uma minoria pri­vi­le­gi­ada podem chegar a ser possuídos pela maioria que deseja ter acesso a eles.

O obser­va­dor de catás­tro­fes vai encontrar inúmeros deleites em reler o parágrafo acima (encontrei a frase, perfeita como está, neste artigo de Pankaj Mishra ). Pode haver receita mais for­mi­dá­vel ou mais certa para o desastre? O magistral é que essa crença – de que os des­pos­suí­dos podem chegar a aquistar aquilo a que tem acesso os pri­vi­le­gi­a­dos – per­ma­ne­ce­ria sem fun­da­mento mesmo num mundo de recursos ili­mi­ta­dos, coisa que o nosso está longe de ser.

3 Você está olhando para os resul­ta­dos de uma evan­ge­li­za­ção universal bem sucedida

Uma boa nova não precisa ter fun­da­mento para ser pregada pelas elites e abraçada pela multidão; basta que pareça com­pa­ra­ti­va­mente boa para a maioria e se mostre de fato boa para os mais privilegiados.

A vontade de enri­que­cer foi tra­di­ci­o­nal­mente usada como com­bus­tí­vel para toda sorte de injus­ti­ças (veja-se a história da colo­ni­za­ção da África e das Américas), mas até recen­te­mente esse apelo não tinha sido arti­cu­lado em sua versão mais absur­dista. “Estamos sendo pouco ambi­ci­o­sos aqui”, disse um homem branco de gravata em alguma reunião. “Em vez de partirmos da lorota de que todos querem ficar ricos, por que não partirmos da lorota de que todos podem ficar ricos?”

Nenhuma outra pregação ou ortodoxia mostrou-se mais eficaz do que a do capi­ta­lismo/fundamentalismo de mercado, porque antes dele não tinha ocorrido a ninguém articular a singela (e dupla­mente mentirosa) ideia de que toda desi­gual­dade é justa porque ricos todos podem ficar.

A insa­tis­fa­ção das massas já foi represada com a promessa de uma eter­ni­dade de abun­dân­cia no céu; hoje em dia a mesma insa­tis­fa­ção é represada com a pos­si­bi­li­dade de momentos de riqueza na terra. Como se vê, as massas se mostram cada vez menos exigentes e mais crédulas, e a sua apa­zi­guada insa­tis­fa­ção pode ser, de maneira mais eficaz do quem em qualquer sistema anterior, cana­li­zada em favor da causa das elites.

O fun­da­men­ta­lismo de mercado é a mono­cul­tura do mundo. Por um lado, todos dentro do sistema podem ser apa­zi­gua­dos à plena submissão: Então você não quer um mundo em que qualquer um possa ficar rico, inclusive você? Sai do caminho que não é por interesse próprio, é por amor à igualdade que estou der­ru­bando essa floresta, seu comu­nis­ti­nha de merda.

Por outro, a invi­a­bi­li­dade e a popu­la­ri­dade do projeto capi­ta­lista fazem com que um enorme número de pessoas dentro do sistema conheça medidas des­fi­gu­ran­tes de frus­tra­ção pessoal. Esses decep­ci­o­na­dos com a fé podem ser facil­mente aliciados por sistemas ali­men­ta­dos pela mesma frus­tra­ção, como o Estado Islâmico (que é em muitos sentidos uma versão Apple Incor­po­ra­ted – extra focused e intei­ra­mente design-oriented – do ter­ro­rismo tradicional).

4 Você ainda não viu nada

Como dizia um pes­si­mista que já partiu desta para melhor, este é só o começo das dores.

A boa notícia é que a justiça poética existe: a promessa de riqueza universal do capi­ta­lismo não poderia produzir outra coisa além de miséria universal. Se parás­se­mos hoje mesmo, fechando a lojinha, dei­xa­ría­mos uma esma­ga­dora quan­ti­dade de pro­mis­só­rias não pagas para as gerações pos­te­ri­o­res. Natu­ral­mente, estamos longe de parar.

Se tudo der certo, se houver amanhã, seremos lembrados como a geração mais irres­pon­sá­vel da história, isso na história nada insig­ni­fi­cante das irres­pon­sa­bi­li­da­des humanas. Por décadas o mundo se perguntou como os alemães sob o nazismo puderam não reagir às arbi­tra­ri­e­da­des, tru­cu­lên­cias e injus­ti­ças sempre cres­cen­tes que cul­mi­na­ram no Holo­causto. Agora sabemos de primeira mão como se faz o que eles fizeram.

 

Clonado Aqui

Paulo Brabo @saobrabo

Propagar um texto do Paulo Brabo aqui na Gruta é sempre uma honra, mas um direito também, pois o Paulo é um grutense com carteira de sócio fundador, dos tempos que eu escrevia e só ele e o Volney comentavam, muito mais para me dar força do que por algum encanto da obra. Claro que há outra vantagem, ou seja, aqui os comentários continuam abertos e fica à disposição do leitor palpitar ou não.

Outro detalhe é que o tal do Luiz Henrique citado pelo Paulo, nesse texto, com quase 100% de certeza, sou eu e a evidência maior se dá pelo meu pessimismo latente, o que me coloca entre aqueles aos quais tentar demover chega a ser tolice da grossa e o Brabo sabe disso como poucos. Sem falar que ele é um dos poucos a me honrar chamando-me por meu nome real.

No mais, ler os escritos do Brabo sempre será garantia de ler o melhor. Aproveite então e na próxima vá direto à fonte, onde a água sempre é mais pura.

cropped-Capricornio-PB.jpg

 

 

Author: Lou Mello

Olha só, pessoal assíduo na Gruta (carinhosamente grutenses) já está careca de saber quais são as minhas graduações e tentativas de pós, etc.

Pessoalmente, dou pouco valor a tudo isso. Escolas e Universidades praticam o monopólio dos diplomas e a ajuda é sempre muito relativa. Estudei a Bíblia e ainda o faço, dei aulas em várias escolas teológicas, até o pessoal encerrar minha carreira, nessa área. Acho que não me achavam adequado, sei lá.

Valorizo muito mais os meus mentores, tais como Dr. Russel P. Shedd, Dr. Zenon Lotufo Jr. e Dr. Dale W. Kietzman.

Meu espírito é missionário. Plagiando o Amir Klink, “Um homem precisa viajar. Por sua conta, não por meio de histórias, imagens, livros ou TV. Precisa viajar por si, com seus olhos e pés, para entender o que é seu. Para um dia plantar as suas árvores e dar-lhes valor. Conhecer o frio para desfrutar o calor. E o oposto. Sentir a distância e o desabrigo para desejar estar bem sob o próprio teto.
Um homem precisa viajar para lugares que não conhece para quebrar essa arrogância que nos faz ver o mundo como o imaginamos, e não simplesmente como é ou pode ser; que nos faz professores e doutores do que não vimos, quando deveríamos ser alunos, e simplesmente ir ver”. Eu viajei e ainda pretendo viajar.

Atualmente, continuo acalentando o Projeto Corações Valentes, embora ele não tenha vingado ainda. Talvez sinta falta do Thomas, tanto quanto eu sinto.

Além de lecionar (Ef. Física e Teologia), ensinei organizações não lucrativas a fazer amigos para ter sustento e, também, tentei ajudar as pessoas a crescerem através da mudança comportamental. Sonho em treinar professores em prática de ensino, quem sabe…

A Gruta surgiu como a forma ideal para a prática de algo que sempre gostei muito de fazer, ou seja, escrever e me livrar dessa coisa interior que pressiona meu peito com potencial para me matar. Tenho alguns projetos de livros em andamento, quem sabe ainda edito um ou alguns deles, antes de fazer a travessia.

Gosto música, literatura em geral, educação, astronomia (minha segunda paixão secreta, Ih falei).

Sou o principal leitor de tudo que escrevo. Ter leitores sempre foi algo inimaginável para mim, e ainda me surpreendo com as pessoas lendo meus escritos, comentando, enfim.

2 thoughts on “Manual de emer­gên­cia do obser­va­dor de catástrofes

  1. Luiz Henrique,

    Claro que é você – se bem que nunca cheguei a ter certeza se você é legitimamente pessimista ou se faz de conta só para dar pinta de durão. Já até pensei em te denunciar por excesso de ternura no CRP. Corrija-se!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *