Mais uma tarefa para o The Cleaner

Segundo o apóstolo Paulo, aquele da Bíblia, falsos mestres seriam senhores e senhoras que sobre o que não sabem, fazem ousadas asseverações.Especialmente a turma dos diplomas com seus muitos mestrados, doutorados e pós isso e aquilo, graças ao monopólio dos diplomas pelas universidades.
 
A maioria desses caras (unissex) não vale um centavo. Exemplo, são esses doutores palpiteiros sobre o problema dos dependentes químico realizadas órfãos da ex-Cracolândia. Aliás, o Dráuzio Varela (que foi meu professor de química no cursinho Objetivo) surpreendeu com artigo em apoio à internação compulsória para os casos mais graves. Aliás, não conheço profissionais da área de recuperação utilizem essa modalidade de outra forma.
 
E o detalhe é o seguinte esses falsos profetas da hora, estão evocando ser problema humanitário, mas o maior problema é que eles se tornaram um problema sanitário, pois a prática deles em meio zero de higiene os torna um foco de disseminação de dezenas de doenças, à população em geral.
Uma pena os pastores terem se desviado dessa tarefa, depois de terem começado tão bem lá pelos idos dos anos setenta, séc. XX; depois que o Pr. David Wilkerson criou o movimento Desafio Jovem, com direito a filme de Hollywood e a proliferação de seu ministério por todo o planeta. Aos poucos o pessoal da Bíblia foi se desviando para o lado das clínicas pagas, pois recuperar sem grana não era nada fácil. O David morreu há alguns anos, triste e meio abandonado.
A Missionária Arlete Batista, grande amiga nossa, hoje vivendo em terras das Astúrias e Castela, foi uma fiel propagadora do ministério Desafio Jovem, no Brasil, onde fundou e dirigiu algumas dessas casas de recuperação à base de oração e fé.  Aos poucos os psiquiatras e psicólogos avançaram para essa clientela, sobretudo, a gosto dos laboratórios e seus medicamentos maravilhosos que não passam de placebos, segundo o Dr. Pat Adans. Se ainda restar uma ou duas dessas casas será um assombro, para mim.
O problema humanitário envolve a todos os habitantes de uma cidade que está criando esse drogadouro. Infelizmente, uma das consequências das drogadições é que os usuários de drogas desmontam seus sistemas imunológicos com essa prática, tornando-se focos e transmissores de várias doenças contagiosas, sem falar no fato dessas vidas estarem seriamente ameaçadas de morte, por esse motivo.
É preciso salvar essa gente sim, e sem ajuda não sairão dessa. Entretanto, também proteger o restante da população da cidade, que estão correndo risco inimaginável, enquanto esses insensatos mantém esse estado de coisas.

 A Globo e suas filhotinhas ficam falando em retirada à força por que são sacanas. A internação realizada pelos profissionais de recuperação é light, no máximo, eles aplicam um sedativo para transportá-los com segurança. Depois de internados eles melhorarão muito e grande parte, se livrará do problema em definitivo.

Brazilian journalist (Rede Globo) Miriam Leitão
Brazilian journalist (Rede Globo) Miriam Leitão (Photo credit: Wikipedia)
Na verdade, há intenção desses meios de comunicação tirânicos  é insuflar e apoiar aqueles que desejam usar essas pessoas (em tenebroso estado de saúde física e mental) como massa de manobra para fins políticos partidários e ideológicos.
Sem falar no medo do atual prefeito de São Paulo crescer na possibilidade de vir a ser um empecilho aos seus próprios candidatos nas próximas eleições, caso se candidate.
Lá na padaria me contaram que esses contrários são pagos pelas facções criminosas que fatura alto com esses mercados da droga. Claro que não acreditei nisso, imagine.
Cheguei a escrever um comentário no perfil do Dória, com algumas dicas. Evidentemente, ele não leu, com tantos “mestres” palpitando por lá. Sem falar nos puxa-sacos que devem cercá-lo o dia inteiro. Quando fui diretor de creches na prefeitura, deixei os petistas meio nervosos por lá. Não descansaram enquanto não conseguiram minha exoneração, que veio na gestão Covas, pelas mãos da sonolenta carrasca Marta Godinho. Tenho muito orgulho disso, sério!
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *