A Gruta do Lou

Leitura da hora

Tenho lido, nos últimos tempos, a respeito da vida de Francisco de Assis. Isso tem despertado em mim vontades perigosas como incorporar a pureza de coração, a pobreza voluntária, a obediência, o trabalho artesanal não remunerado, a conquista da liberdade de espírito, a alegria e a cortesia, e a livrar-me da tirania dos sentidos, da escravidão ao dinheiro, da dureza do poder e da ambição mundana.

Tudo muito bonito e bíblico, inclusive. “Qualquer de vocês que não renunciar a tudo que possui não pode ser meu discípulo”. Lc. 14:33 Jesus era hilário, mesmo. Já pensou ficar sem meu microcomputador? Só de ficar sem a Banda Larga reuni ódio mortal por toda a Espanha, de Astúrias, Castela e toda aquela coisa catalã. Outra coisa que não abro mão é de banho com muita água e aquecida, nem muito quente e nem fria. Sinto calafrios em pensar na possibilidade de andar pelas ruas vestindo túnica amarrada com corda, uma sandália de pneu nos pés e o pior, dias e dias sem banho, fora outras cositas típicas de um ocidental devidamente locupletado por fobias anti-bacterianas e microbiosas (essa não tem em dicionário nenhum).

Comecei a imaginar servir as pessoas consertando microcomputadores de graça. Nesse momento a Dedé entrou aqui e falou qualquer coisa que não lembro o que possa ser, mas me fez abandonar essa idéia, rapidinho. Nem precisou lembrar das outras três vítimas desse ser desprezível que me tornei, tudo graças a essas bobagens imaginadas por um rico excêntrico que resolveu ficar pelado na frente de todo mundo para envergonhar seu pai rico. Se eu quisesse envergonhar meu pai, faria exatamente o contrário, chegaria pelado (talvez não totalmente) e me vestiria na frente de todo mundo.

Sabe, gente como eu precisa ler livros de auto-ajuda com muita motivação e sucesso. Jesus estava certo quando disse que Deus usa os que não são para envergonhar os que são. Francisco era rico e Deus o fez pobre para envergonhar os pobres. Francisco foi transformado em um pobre exemplo. Era pobre, mas cortes, cheio de amor, puro de coração, trabalhava sem remuneração ajudando lavradores, era obediente e não tomava banho, a não ser no rio e só no verão, acompanhado da Clara, lógico. Vale lembrar que ele abdicou do sexo, segundo consta. Isso sim era um pobre de verdade e não aqueles caras que aparecem em nosso portão pedindo um quilo de alimento não perecível que se você dá ele nem agradece e se não dá, te manda fazer coisas inomináveis. Não se fazem pobres como Francisco, mais.

Ao contrário, eu sou pobre, embora orgulhoso, e Deus deveria me tornar rico para envergonhar os ricos. Eu seria uma rico cortes, puro de coração, obediente e tudo o que ele quisesse. Para ficar rico faço qualquer negócio, bem, quase tudo, pois tem umas coisas que não dá para abrir mão. Então o melhor, para gente como eu, é ler O Segredo, Uma Vida Com Propósitos e todas as outras ridículas imitações deles presentes no mercado. Esses livros podem transformar você um cara rico. Pensando bem, se eu ficasse rico, não adotaria as outras bobagens discipulares. Rico que se preze tem que ser excêntrico, altivo, prepotente e, acima de tudo, com coração feito de pedra. Trabalhar e de graça não está nos nossos planos. Ah! Escrever um livro que tenha a palavra Propósitos ou Segredo no título, melhor se conseguir juntar as duas.

Bom, chega de bobagem. Hoje é sexta feira e ainda preciso mendigar o pão nosso de cada dia.

Share this:
Share this page via EmailShare this page via Stumble UponShare this page via Digg thisShare this page via FacebookShare this page via Twitter

5 thoughts on “Leitura da hora

  1. Eu nunca tive problemas com falta de banho. Fiquei famoso por isso na juventude. Depois que casei é que tive que negociar esse conceito. Agora radicalizei de novo! Tô a quase 2 meses sem fazer a barba! Nadica de nada. Nem um retoquezinho nos cantos. Se bem que não sei dizer se São Francisco era um barbudão desordenado assim. Em alguns desenhos ele tem uma barbinha que parece ter sido feita em salão de beleza.

  2. Bete

    Li em fontes diversas que em tardes de verão, toda a irmandade tomava banho em um rio próximo à Capela, frades e freiras. Devia ser meio banho, sabe como é né?

  3. Pingback: Lou Mello

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.