A Gruta do Lou

Jesus Cristo, o filho do carpinteiro

Esta manhã, ao acordar, tinha em mente escrever algo sobre a não violência. Mas vi o Massa dando passagem ao Alonso por ordem de sua equipe e mudei meu tema para “mercado em nosso mundo pós moderno”. Entretanto, não consegui perseverar nem em uma coisa e muito menos na outra.

Agora estou pensando em alguém sem qualquer experiência relevante anterior, uma pessoa que não domina o próprio idioma, tem todos os dedos em suas mãos, não tem um único diploma, não dirige, nunca teve um mísero terno, muito menos uma esposa ou um filho, nunca pastoreou, jamais trabalhou com carteira assinada, nem mesmo como Office boy e não possui casa própria, E-mail e muito menos notebook ou ipad. Alguns o vêem como um ser doce, enquanto outros, um obcecado por justiça. Há até quem o considere uma espécie de salvador, uma boa alma cheia de propósitos ou um paladino celestial.

Arrogante, declarou-se o Filho de Deus e prepotente diz-se capaz de reconstruir o Templo em três dias, caso o implodissem.

Como era de se esperar, foi capturado, crucificado, morto e sepultado. Dizem que ressuscitou ao terceiro dia, mas ninguém viu, apenas restaram alguns depoimentos desencontrados, contraditórios e pouco confiáveis de aparições em vários pontos diferentes.

No entanto, sobre ele, escreveram a maior quantidade de livros já escritos sobre quem quer que fosse. Ninguém foi mais pesquisado, estudado ou descrito. Fizeram dele o personagem central da Bíblia, embora haja controvérsias sobre isso. Toda essa gente, devidamente diplomada, evidentemente.

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

11 thoughts on “Jesus Cristo, o filho do carpinteiro

  1. Lou, como disse alguém certa vez: Ou Jesus era quem ele afirmava ser, ou era um louco, ou soube como ninguém fazer markenting. Eu da minha parte teimosamente, aderi a primeira opção.

    Um abraço.

  2. O grande problema de muitos cristãos é que eles nem conhecem a Jesus. Na realidade, eles O conhecem de nome, da pregação e mais nada. Até em alguns dos discípulos encontramos esse lado trágico de não conheceram verdadeiramente a Jesus, pois Ele diz, por exemplo, a Filipe: “Filipe, há tanto tempo estou convosco, e não me tens conhecido?” Isso faz do cristianosmo uma religião dúbia !

  3. Cristo, é um estigma que conseguiu atravessar 2000 anos.E mesmo tendo inspirado tanta literatura,estudo,pesquisa,religião,posicionamentos…
    ainda não está totalmente revelado para muitos…quem sabe com mais 2000 anos.

    1. Raquel

      Talvez não demore tanto. Basta olhar a quantidade de universidades, mestrandos, doutorandos, pós-doutorandos,

      pós-pós, etc, que há aos montes por aí. Certamente essa gente desvendará Jesus num piscar de olhos. O problema é

      que as gerações anteriores não gostavam de estudar, aquele monte de vagabundos. 🙂

    1. Wander

      Inventei um Jesus sem lei, dogmas e mandamentos. O Meu é o Jesus da Graça de graça, sem contrapartidas ou

      expectativas. Esse Jesus me conquistou.

  4. Lou tenho um pequeno texto do Samuel Escobar bem nessa linha e muito interessante. Se eu encontrar no meio da minha papelada, mando pra vc.
    Ah, não esqueci minha encomenda, não. Contratempos tem me impedido de coletá-la. Mas ainda vou, espero!

    1. Rubinho

      Imagino que estava com esse texto (do Escobar) na mente (ou parte dele) quando escrevi essas humildes linhas.

      Agora você precisa achar o original porque o pessoal vai querer ler. 🙂
      Quanto a encomenda, está pronta e aguardando quando você puder vir. Tranqüilo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.