A Gruta do Lou

Handcap


 

Caminhando Jesus, viu um homem cego de nascença. E os seus discípulos perguntaram: Mestre, quem pecou, este ou seus pais, para que nascesse cego? Respondeu Jesus: Nem ele pecou, nem seus pais; mas foi para que se manifestem nele as obras de Deus.

João 9: 1 – 3

Via, por acaso, cena de novela da Globo, quando um personagem indiano gritou: Por que não respeitam um criança que nasceu com defeito? Ela nasceu assim por vontade dos deuses para ser adorada e respeitada. Quem fizer assim, receberá as bênçãos de Deus.

Levei um choque. Imediatamente lembrei dessa passagem bíblica que narra algo similar e parece mais um daqueles textos fora de contexto. O texto bíblico tem muitos deles e a narrativa neo testamentária sobre a vida de Cristo é campeã nessas ocorrências. O mestre fazia isso. Vira e mexe, soltava essas perolas, do nada. Pior quando surgiam após uma pergunta pertinente ou impertinente.

Para os judeus daquela época, um filho nascido com qualquer tipo de problema congênito era uma espécie de maldição ou um castigo por pecado cometido por alguém, geralmente os pais. Davi passou por isso e seu filho morreu.

Ao ser indagado sobre tal crença, Jesus faz essa revelação bombástica e sensacional. Nasceu assim para que nele se manifestem as obras de Deus. Caçarola! Deus não quer revelar suas obras por meu intermédio, um cara bacana, macho e sem defeito. Bem tirando a falta de beleza, uma certa barriga, a idade e o nariz, diria: dez. Não ele quer revelar suas obras através de um cego, ou de um surdo, um portador de síndrome de down, um cardiopata congênito ou outro portador de defeito congênito.

Jesus é mesmo um filho rebelde. Se fosse nos tempos de Davi, meu filho seria a minha punição devido aos meus muitos e abomináveis pecados. Mas o Nazareno mudou tudo. Agora meu filho é a minha maior benção, uma dádiva de Deus e nele posso ver as obras de Deus. Creia-me, vejo isso todos os dias, há vinte e um anos.

8 thoughts on “Handcap

  1. Pingback: Lou Mello
  2. Lou

    Tem gente que pensa ao contrário, que não é maldição mas que é um anjinho mandado do céu. As vezes tenho dúvidas sobre o que é pior.

    O meu, aqui em casa, de anjinho não tem nada…

    Abraços

    PS: ah…cá entre nós, assume que você assiste novela, esse golpe do passando na sala é muito velho.

    De qualquer maneira, eles são especiais e não é devido ao problema congênito, mas ao God’s Will. Agora, eu preciso manter minha postura, e na minha casta nós não assistimos as novelas, apenas as vemos sem querer, querendo. 🙂

  3. Lou

    Vou contestar de novo (você sabe que eu sou chato com a taxonomia), mas detesto esse história de especial.

    Se um filho é especial, os outros são o que ? Ordinários?

    Confesso, pensando em você e em sua taxonomia, fiz o maior esforço para escrever sem ultrapassar os limites abrangidos pela inclusão, experiência que não funcionou em nosso caso. Quis levantar a bola sobre essa jóia deixada pelo Mestre e não muito mencionada, pelo menos eu nunca havia ouvido ou lido nada sobre ela. Entretanto, em minha experiência, não consigo encarar os meus filhos da mesma forma, independente de algum problema congênito, e embora faça o possível para tratá-los com igualdade, pelo simples motivo de que eles são diferentes e descobri que preciso respeitar suas diferenças.

  4. Diga-se de passagem, eu sou chato com um monte de coisas, não é só com a taxonomia.

    Não acho. Aprendemos muito com você, inclusive já sei o que significa taxonomia e outras tantas palavras que nunca havia ouvido falar. Chato é um cara que não quer aprender e, pior, pensa que sabe alguma coisa e não se acha chato.

  5. Bem… várias cositas.
    Concordo com o Adiron: filhos são especiais sempre;
    Discordo do Adiron: vc só vê novela de relance, e não me desaponte!!!
    Faltou comentar sobre a afirmação televisiva. Que coisa, não!?!?!?

    Pois é, foi uma afirmação incrível e surpreendente. Não sei de onde tiraram aquilo, pois sempre esperamos o pior dali. Quanto a ver novela, meu mestre zen, um japonês incrível que dominava grande parte das artes marciais, aproveitava todo o tempo disponível para ver nossas novelas. Ele dizia: As novelas são as melhores coisas da cultura de vocês. Se bem que isso foi no tempo do Daniel Filho, Lima Duarte, Cassiano Gabus Mendes, Braulio Pedroso, Walter Avancini, Jorge Andrade (foi meu professor de teatro no Vocacional), etc., como diretores e autores. Agora só há um cara bom, o Carlos Lombardi, o resto é formado por apologistas do homossexualismo e da nova moralidade. Meu pai foi um dos primeiros atores da televisão, quando ela foi inaugurada em 1950, ele fazia novela caipira no rádio, na época, e migrou para a TV. Sempre dizia, Cinema e TV devem ser imagem, embora necessário, muito texto atrapalha nesses veículos. As novelas de hoje se passam a maior parte em estúdios e são absurdamente faladas. Para dizer o mínimo. Buscam audiência a qualquer custo, apenas. Por isso, mesmo que desejasse, não consigo dar muita atenção a elas, mais. Tenho saudades de Beto Rockfeller, Gabriela, O Bem Amado e Que Rei sou eu.

  6. Lou,

    muito legal esse teu blog novo !! muito legal mesmo ! ja estou add ele aos meus favoritos…desculpe-me não estar deixando recados, mas estou numa certa loucura de vida que não tem sobrado muito tempo e dou preferencia a ler….

    ah… fiquei a pensar: sou cheia de defeitos e Dalit-evangelica….será q sou especial ou ordinária (rsrsrss) ?

    adoro ler-te, és sempre sagaz !

    super beijo

    ps. : O Tata continua na busca pela tal metastase mas (graças a Deus) não tem sido encontrado, apenas alguns bicos de papagaios, outras pedrinhas no rim, mas nada que não seja normal para a idade…heheheeee

    Folgo em saber que há mulheres, pelo menos, lendo minhas bobagens, se bem que já suspeitava. Pelo jeito, as mulheres temem as cavernas. Gosto muito de receber comentários e comentar, mas não tenho tido a mesma disponibilidade de tempos atrás, também. Assim entendo sua situação. Também ando lendo muito sem comentar, por aí. Quando ao seu marido, continuamos alertas e o nome dele está entre os nossos motivos de oração, junto com alguns outros queridos dos grutenses e cavernosos. Abraços para vocês.

  7. …Pra falar a verdade, eu tenho uma fobia enorme
    para entrar em lugares,onde eu sei que a entrada e a saída é uma só, como nas cavernas… na gruta sempre há duas opções…
    eu continuo um ser imperfeito, mas sou obra de Deus.

    Há controvérsias. Os entendidos dizem que grutas e cavernas sempre tem outra saída, ou entrada, mesmo que esteja submersa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *