A Gruta do Lou

Gratidão

Elizabeth Taylor

Um amigo me deu uma baita bronca. Primeiro por eu ser um ingrato e depois por causa do caráter meio down do blog. Ué! E daí? Isso porque, dizem por aí: falar e rir das próprias mazelas não é sábio. Melhor esconder a sujeira sob o tapete, vestir um terno Armani e sair falando a linguagem dos ricos (ricos não erram gramática) e jamais mencionar problemas pessoais.

Quanto ao primeiro problema, resolvi fazer o quadro de honra, ao lado. Inspirei-me no quadro que existe lá no saguão de entrada do Hospital Albert Einstein, com cem nomes. Dizem por lá que os judeus brigam para ter o nome naquele quadro. Vamos ver como funcionará na Gruta. Sou muito grato a todas essas pessoas. Na verdade, não tenho palavras capazes de agradecê-las. Cada uma desempenha ou desempenhou papel único em nossas vidas salvando, ajudando, suprindo, libertando, inspirando, ensinando e mais um monte de benfeitorias para nossa família. Seria imprudente se tentasse relatar todas as situações, aqui. Mas agradeço cada um, em especial. Vocês são demais!

Com relação ao segundo problema, resolvi não falar mais de minhas mazelas. De agora em diante, criarei um personagem capaz de exemplificar um grutense. Acho que o chamarei de Norberto Elias. Nada a ver com o profeta ou algum filósofo, claro. Ele será um grutense duro (sem grana), desempregado, cheio de contas a pagar, sob risco de despejo, com um filho portador de algum tipo de doença congênita, técnico em informática, consultor de ONGs, deprimido e escritor de blogs. Qualquer semelhança deve ser atribuída à coincidência.

Aproveitaremos e usaremos o Norberto Elias para emitir as opiniões teológicas, filosóficas, psicológicas, sociológicas, pastorais, etc… Aos poucos construiremos, juntos, uma personalidade para o Norberto Elias. Eu estou pensando em um senhor com mais ou menos cinqüenta e seis anos, meio careca, de óculos e uma barriguinha saliente. Talvez sua personalidade seja do tipo fleumático, o que lhe consignará traços de um cara calmo e longânime. Algo assim. Quem sabe conseguimos uma caricatura dele, ao menos.

Ih! Acho que fui além do que me propunha. Norberto Elias? De onde saiu você?

Falando nisso, o Norberto Elias gostaria de participar desse evento. Será que vai ter telão na Praça da Sé p’ra galera? Ou alguém aí da banda rica poderia oferecer a inscrição para o Norberto Elias. Que tal? Quem vai ficar com a bênção? O Norberto Elias já separou a bandeira vermelha com a foice e martelo no meio. Da hora!

lousign

2 thoughts on “Gratidão

  1. Maya – O Lou estava falando que já aprontei a bandeira “Da Hora” para ir ao Congresso. Mas estou, digamos, um pouco desprevenido, no momento. A bandeira é lindona. Maior orgulho! O Lou é meio careta com essas coisas. Negócio dele é a boa e velha anarquia, coisa que eu também aprecio. 🙂

  2. Sei como deve ter sido difícil, para você, ouvir essa bronca e colocar esse “Quadro de Honra” no blog. Não conheço bem feitor anônimo mais implacável que você e como sempre fugiu dos agradecimentos. Nunca esqueci sua explicação sobre isso: evitar o constrangimento dos agraciados. Para você é duro fazer o que nunca requereu de ninguém. Certo?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *