A Gruta do Lou

Fabrica de Golpes

Outro dia, levei minha esposa à “Fábrica de Golpes”, digo “INSS”, agência Butantã, na rua do mesmo nome. Chegamos cedo, e fomos encaminhados para um grupo enfrente há algumas mesas, onde havia dois funcionários, uma mulher e um comunista.

Conheço comunistas de longe. O número de atendimento da minha esposa era B007, enquanto os números que se seguiram eram todos iniciados com outras letras. Diante da demora em chamar minha esposa, resolvi perguntar no balcão de entrada e a jovem ali, embora simpática, me avisou que esse é meio demorado, mesmo.

Não entendi se “demorado era o comunista ou o problema”. Até então não havíamos percebidos nada anormal, a não ser que o fato de minha esposa não ter carteira de trabalho. Não tinha porque era minha sócia em umas quatro empresas que abrimos durante os anos. Ela e eu tínhamos o INSS pago junto com o das empresas, por sermos os proprietários. Pagávamos contra um formulário específico para esse fim.

Com o tempo, e tivemos bons momentos, e outros nem tanto. Fomos algum tempo para os Estados Unidos arriscar algo melhor e, logo depois de voltarmos, nosso filho caçula nasceu com aquele imenso problema sistema circulatório, com coração mal formado, mais veias e artérias desviadas, pulmões menores, etc. Minha esposa ficou inteiramente à disposição dele, sem perder os outros dois de vista, enquanto eu tentava levar as coisas dentro do possível. Após a segunda cirurgia de tórax, ele melhorou bem e resolvemos mudar para Sorocaba a convite de uma oferta de trabalho em uma ONG de lá.

Moramos 14 anos em Sorocaba. Com tudo isso, perdemos os comprovantes de pagamentos junto ao INSS e os outros todos. Só sobrou os contratos sociais e mais alguns outros, de menor importância. Na minha cabeça, certamente o INSS deveria manter esses dados, certamente. Certo dia, fui à um posto do INSS para ver como estavam as coisas por lá. Eles tinham todas as nossas empresas cadastradas, mas não havia informações em nenhuma delas. O atendente pediu-me paciência porque o INSS estava mudando todos os dados de um antigo sistema para outro mais moderno. Depois disso me incentivou a dar um tempo para que esses dados chegassem em nossas contas.

Confesso que sempre me angustiava quando pensava nisso. Enfim, achei que não valeria a pena voltar ao INSS antes da hora. Perdemos nosso filho caçula em 2013, durante uma terceira cirurgia, segundo os médicos e o hospital, devido a uma septicemia terminal. Então voltamos para São Paulo, com a ajuda de um pastor muito amigo. Em 2014 o pastor me levou ao contador dele para verificarmos a nossa situação no INSS. Nessa altura, o contador já podia verificar os dados mais corriqueiros direto do computador dele.

Resultado foi surpreendente, todas as empresas foram baixadas (excluídas, fechadas, seja lá como for) por um decreto da não menos comunista, a presidanta digo presidenta Dilma. O contador, diante da nossa surpresa ainda me incentivou a voltar ao posto do INSS e verificar o nosso NISS, um trem que tem lá, do qual não faço ideia.

Em 2016, completei 65 anos no dia 8 de janeiro e marquei , por telefone, meu momento de aposentadoria. Deixei as empresas de lado imaginando que isso poderia ajudar a minha esposa quando ela fosse fazer a aposentadoria dela. Com três filhos para cuidar diariamente, sendo um com uma cardiopatia extremamente complexa durante 25 anos, mereceria alguma ajuda para os dias, meses e anos seguintes.

Antes das empresas, trabalhei em vários empregos, a maioria escolas particulares e governamentais, onde lecionei Educação Física, minha primeira formação. O último emprego registrado foi na Igreja Maná, antes de mudar para Sorocaba. Lá eu trabalhei em várias organizações, mas nenhuma delas me registrou e eu não dei maior importância.

Resultado, não consegui provar quinze anos de trabalho com recolhimento ao INSS. Faltaram cerca de dois anos. Ainda devo ter alguma coisa na prefeitura e no estado, mas não sei se chega aos quinze anos necessários, se não mudarem isso também.

O atendente que fez meu processo lá se esforçou em procurar, inclusive nos CNPJs das empresas, mas ainda não havia nada por lá. Então ele me premiou com a LOAS, que me daria um salário mensal no valor de um salário mínimo, até o fim dos meus dias de vida. Através de alguma mudança na Lei, como essa que estão querendo reformar atualmente, a tal “reforma da previdência” talvez melhorem a nossa situação.

Os comunistas do PT, tais como Lula e Dilma, imaginavam que não sairiam nunca mais do governo. Seriam como o cubano Fidel Castro. “Astra La Morte”. Alguém, talvez aquele celerado ministro da economia dela, deve ter convencido ela a fechar (baixar) todas as empresas inadimplentes, mas com algum saldo no INSS e outros, somando tudo, levantariam uma grana nada desprezível, coisa de bilhões. Então, pronto. Minha esposa e eu somos dois dos milhares devidamente chutados por eles.

Finalmente o comunista chamou minha esposa para sentar à frente da mesa dele, a de número 13, não sei se por coincidência ou proposital, além da senha dela ter um BO-07, aquele mencionado no início desse texto, um cara já muito próximo fazer a própria aposentadoria, de jeans e camiseta, careca mas com um imenso rabo de cavalo, com uma barriga pra ninguém deixar de notar, nos tratou muito mal.

Nessa altura, eu já estava na conversa. O cara só tinha boa vontade para com os portadores de carteira de trabalho, coisa que minha esposa não tinha, por ser honesta. Enquanto dona Dilma, Lula e toda a corriola comunista, apesar da Lava a Jato, do Dr. Moro e seus colegas de trabalho, não param de rir da nossa cara.

Finalmente o comunista tentou comprar briga comigo, me dizendo que esse é o resultado de votar no Bolsonaro (a entrega). Então respondi: mas que Bolsonaro que nada, nós todos fomos roubados, e antes que eu completasse, ele mesmo reconheceu, dizendo: “eu também sou uma vítima desses caras”.

Nota: Nem pense em perder tempo comigo sobre essa questão dos comunistas.  A rigor, eu não teria maiores problemas com eles e elas, tanto quanto tenho saopaulinos, santistas e palmeirenses. Pensamos diferente e acreditamos também em coisas e cores divergentes. Agora, esse negócio deles acharem haver algum tipo de possibilidade de todos os habitantes do planeta virarem comunistas é ridículo. Pior é a mania deles em ter um ditador, tornando-se lacaios desses malucos. Ah, vai andar…

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.