A Gruta do Lou

Ester, o significado de um livro

Terça-feira, Fevereiro 21, 2006

 

Nos tempos da Missão, quando o idiota que a dirigia era outro, havia uma secretária cujo nome era Ester. O Volney a conheceu, pois, foi no tempo de sua presidência e não é a ele que me refiro ai no início, obviamente. Ela era uma moça muito competente, organizada, muito feminina e estava noiva, se bem me lembro. Parecia, de fato, com a Ester de Assuero e Mordecai. Trabalhamos juntos durante dois ou três anos e, quando sai, ela continuou por lá, antes daquela anta convencer o Kietzman e a diretoria nacional que eu era comunista.

Ela vivia me convidando para pregar na Igreja dela. O Pastor lá, segundo ela, só pregava sermões evangelísticos e ela queria dar uma lição a ele. Minhas exposições bíblicas, nos cultos matinais na missão, a agradavam e daí ela teve essa idéia maluca.

Mas, todos nós gostávamos dessa moça. Ela tornou-se imprescindível e o trabalho bem sucedido, naquele período, deveu-se a ela, em boa parte. Não fosse ela e aquele bolha teria aprontado muitas outras sandices.

Tempos depois, voltei a fazer um trabalho para a Missão. Não oficialmente, claro. O segundo idiota que puseram lá, e eu ajudei nisso, não foi homem para me contratar e assumir o risco, coisa que fiz com ele em anos anteriores. Nessa época a Ester não estava mais lá. A secretária era outra, então, por sinal esposa de um dos proeminentes líderes (petistas) cristãos atuais. Certa tarde, eu estava preparando meu material de trabalho e entrou, sala adentro, a nossa estimada Ester. A mesma face, mesmo sorriso e feliz com o casamento recém acontecido e querendo ver com os próprios olhos onde e o que eu estava fazendo na Missão.

Passados alguns anos, recebi a notícia. Ester falecera vítima de um maldito câncer safado. Ah, Deus, como eu não te entendo, às vezes ou sempre.

Em um dos “amigos secretos” de fim de ano, ela foi a minha amiga secreta e me deu um dos melhores presentes que já recebi, conforme documento anexo. Tinha que ser assim. Como ensinava o Pr. Irland e nosso mestre Borges, cada livro em nossa biblioteca tem que ter um significado especial. Confissões de Agostinho, vai ter significado, assim, lá longe.
# posted by Lou @ 8:10 AM

2 thoughts on “Ester, o significado de um livro

  1. Me lembro da Ester e desses tempos de escritório na casa apertada e comprida na Vila Mariana.

    A vida é assim mesmo – basta cada dia para experimentarmos a realidade da morte. Hoje foi mais um dia triste no seio de uma família muito jovem – estive lá pra confortar. Tentar. Só consegui orar. É assim mesmo!

    Vamos que vamos.
    # posted by Volney Faustini : 2/28/2006 9:52 PM

  2. É, não é fácil. Já convivi com muitas perdas…
    Existem pessoas que marcam nossas vidas, mas a morte está aí, forte e inabalável realidade. Quem não sabe morrer, não sabe viver. Quando ficamos libertos do medo da morte, ficamos libertos do pânico da vida. Pra Lázaro, tanto fazia,ser ressurreto ou permanecer morto, pois Jesus disse :”Eu sou a Ressurreição e a Vida.”

    Sim, perder o medo da morte é um dom imprescindível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *