A Gruta do Lou

Entre Bandolins

 

Oliver Norvell Hardy, da famosa dupla “O gordo e o magro”.

Descobri, tardiamente, a existência de uma orquestra de bandolins na Igreja Batista do Sumarézinho. Fui parar lá, graças ao serviço de bolsas que a Faculdade Teológica Batista de S. Paulo, mantinha. Quem cuidava dela era o Lourenço Stelio Rega. Passei a ter minhas mensalidades pagas e, em troca, fiquei com a obrigação de cuidar de uma congregação que a igreja mantinha na Vila Madalena, na beira de um barranco e em uma casa que ameaçava desabar.

Como a Igreja tinha problemas de todos os tipos, ganhei a preocupação com várias situações esquisitas, desde a liderança até o relacionamento entre os membros. No fim, o pastor acabou deixando a Igreja e foi preciso contribuir no processo de escolha de um novo. Como havia muitos problemas, sugeri (junto com outros seminaristas) um período tampão com um pastor experiente para preparar o terreno a um novo líder. Conseguimos a façanha de convencer nosso professor de pregação expositiva e auto- compreensão, o Carlos Lachler a fazer esse trabalho.

Logo que chegou, ele revelou a informação surpreendente: havia ali uma orquestra de bandolins. Isso mesmo, aquele instrumento muito utilizado pela turma do chorinho e do samba canção. Nos domingos, a maior parte da igreja passou a vir com seus bandolins. Meninas e meninos adolescentes, senhoras e senhores casados e até alguns anciãos revelaram-se tocadores do instrumento. Assim, quando o maestro anunciava o hino, todos se aprontavam e, então, ouvia-se um som lindo, que nunca mais escutei, em lugar nenhum.

Aquela igreja estava condenada. Conseguimos estender sua vida um pouco mais, apenas. Depois disso, uma sucessão de lideres problemáticos, somados aos insolúveis problemas acabaram por liquidar a igreja. O último foi o Carlos Bregantim que tentou levar o que sobrara para a Igreja Batista da Água Branca, do Ed Rene Kivitz. Alguns foram outros se perderam. Mas a maior perda, foi a orquestra de bandolins, sem dúvida.

8 thoughts on “Entre Bandolins

  1. Lou…
    Que tristeza, né??
    Eu conheço diversas histórias de congregações ou pequenas igrejas não seguirem por conta de problemas incluindo lideranças. Ai que vemos a potencialização do chamado!! Fico realmente triste de saber que esta igreja tinha uma “orquestra” formada só por bandolins… algo raro em nossas igrejas.. e não ter conseguido se manter! Acho que esse é um exemplo para apontarmos questões de liderança dentro das nossas igrejas!

  2. Hernan
    Salve! Bom ver seu comentário por aqui.
    Conheço o Carlos sim, inclusive está entre os meus amigos do Orkut.

  3. Poliane
    A Igreja Batista do Sumarezinho era patológica. Sem dúvida, uma liderança competente teria feito a diferença, por lá. Entretanto ela conseguiu fabricar grutenses de baciada. Como você disse, esse é um exemplo de muitos casos parecidos que temos notícias. Está na hora de resgatarmos o pastor interessado em cuidar de ovelhas.

  4. Pingback: Lou Mello
  5. Gostaria de conhecer este pessoal que toca bandolins, pois também tocava em uma orquestra em uma igreja há mais de 10 anos, eles ainda existem???

    Paulo
    Agradeço a visita. Isso aconteceu na década de oitenta na Igreja Batista do Sumarézinho, em São Paulo. A orquestra não existe mais e tão pouco a Igreja. Boa parte dos componentes pertenciam à família Emerich e alguns ainda residem no mesmo bairro e dividem-se entre a Igreja Batista da Água Branca e a Igreja Projeto Raízes.

  6. Não seria possível reativar a orquestra, …. tenho um pouco de experiência, e acho que não deveria deixar morrer algo tão espetacular!!! abços

    Talvez seja possível resgatar alguma coisa ou mesmo montar outra. Mas aviso, será difícil obter apoio. Essas coisas são consideradas exóticas e ultrapassadas, hoje em dia. Pessoal está mais voltado ao Diante do Trono e seus seguidores, infelizmente.

  7. Ok entendo a situação , na verdade a minha intenção seria resgatar as pessoas apaixonadas por este projeto, a fim de nos reunirmos num local para ensaiar, trocar idéias e coisas do tipo …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *