A Gruta do Lou

Ecologia neo testamentária

Ecologia Neo Testamentária
Ecologia Neo Testamentária

Dizem haver no Novo Testamento uma narrativa ecológica. Parece ser assim:

Depois de um dia de intensa atividade espiritual, intelectual e física, não remunerada, Jesus entrou em um dos barcos com seus discípulos e iniciaram viagem, ganhando o mar. No início havia nuvens mas era possível ver a lua, entre uma nuvem e outra. Aos poucos, as frestas se fecharam, a lua sumiu e começou a ventar. Enquanto os discípulos mais afeitos ao mar cuidavam da navegação, Jesus, sentindo-se inútil, deitou sobre os panos de uma vela reserva e dormiu.

Os ventos aumentaram e começou a chover. Pedro e João entreolharam-se e Judas começou a resmungar, atitude típica dos covardes. A intensidade da precipitação aumentou, vieram os relâmpagos, raios e consequentes super trovoadas. A água doce começou a inundar o barco. Pedro já estava tirando á agua com a ajuda de uma caneca de madeira e Felipe resolveu ajudar com as próprias mãos, seguido por outros três. João arriscou uma olhada na direção do mestre, agora roncando feito um porco.

Judas iniciou discurso ecológico sobre as causas possíveis: É o aquecimento global. Também, com toda essa emissão de gases poluentes não podia dar outra coisa, a camada de ozônio já era e a temperatura dos mares não para de subir. Natanael, meio perdido, arriscou: mas e o desmatamento, do jeito que vai nossos netos nunca saberão o que era uma árvore, sem falar nas queimadas e no uso de desodorantes spray. Judas ganhou moral com o apoio e foi em frente, sentado no teto da cabine de comando, no momento em que o barco tremeu com a passagem de um enorme vagalhão, é terremoto, na certa, pudera, o povo local é chegado em uma macumba. André, estava mastigando um sanduiche de sardinha e tratou de jogá-lo ao mar como oferenda a Yemanjá.

Pedro perdeu a paciência e foi acordar o primo de João Batista: Jesus, acorde, não te das conta do temporal e que estamos indo a pique?

Jesus assustado com tal declaração, aproveitou o rosto molhado com a água da chuva e esfregou bem os olhos, para acordar e ver melhor. Ao constatar os acontecimentos, deu uma boa olhada no pessoal, todo mundo com cara de boi no ante pasto do matadouro e disse:

Oh, homens de pouca fé!

Em seguida, repreendeu a chuva, os raios, os relâmpagos e os trovões. Por alguns segundos movimentou os braços apontando para o céu e as nuvens sumiram, ficando só a lua, linda e cheia.

Então, deu de ombros e deitou na sua cama improvisada, voltando a dormir tranquilo feito um monge tibetano.

Judas, mirou a Pedro e perguntou: Quem é esse que até as tempestades se lhe obedecem?

011914_1906_Teologiasem2.jpg

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *