Ecclesia Reformata et Semper Reformanda est

Marconi Bartholi

(tradução do Título: Igreja Reformada está sempre se reformando)

Sabe que dia é hoje? Dia de Reforma. De novo?

Isso mesmo, ontem a minha timeline e a sua foram inundadas de notícias, posts e lembranças do dia da Reforma Protestante, que é celebrada no dia 31 de outubro, e dos 500 anos da Reforma, que rola esse ano.

E hoje continua sendo dia da Reforma? Novamente: isso mesmo.

A Chamada Reforma Protestante é um movimento que acontecia mesmo antes de Lutero, mas como tudo na história precisa de um fato, de um marco, Lutero e as 95 teses, assim como o drama e perseguição que sua vida recebeu, alcançaram papel histórico.

Porém, o principal conceito do movimento, sob meu ponto de vista, viria anos após: Ecclesia Reformata et Semper Reformanda est (Igreja Reformada está sempre se reformando; traduções são discutíveis).

Alguns atribuem a Karl Barth, mas provavelmente o teólogo holandês Gisbertus Voetius, cunhou o conceito, ainda no século XVII, durante o Sínodo de Dort.

De forma ampla quer dizer que a Igreja (e os cristãos leigos que passavam a ganhar voz) deve sempre voltar às escrituras para se renovar, permitir que a Luz da Palavra e o Espírito Santo de Deus nos ajuste no equilíbrio da Verdade versus (ou seria melhor: com, ou em consonância com) o Tempo que vivemos. Ou seja, um movimento de contínua reforma, pois o Tempo de hoje é totalmente diferente de 10 anos atrás, o que dizer da Reforma ou do Tempo Apostólico.

Assim, Reforma é para todos os dias, para o âmbito íntimo e privado e para a arena pública, para todos os desafios, embates, mudanças de ciclos, de comportamentos sociais (e quão abundante de mudanças e complexidades é este tempo que vivemos agora).

Mas sobretudo, sobretudo, o espírito da Reforma é o que menos há nas igrejas protestantes e evangélicas dos nossos dias neste país.

Infelizmente o espetáculo é outro, mais ligado a poder, controle, midiático (e também controle midiático), reativo e reacionário.

Aos cristãos deste tempo falta a autocrítica ao meio religioso que pertencem e perdeu sua luz e relevância. Onde está nossa visão que inspira, que é propositiva, que envolve a beleza e a anuncia, que inunda de sabedoria temas carentes perdidos em antagonismos direita-esquerda e por ai vai? Que proclama o amor, o perdão, a salvação e glorifica a Deus sem necessariamente entrar num embate moralista e religioso?

Fica a reflexão, que diferença teríamos na sociedade se, de fato, fôssemos Ecclesia Reformata et Semper Reformanda est?

Permita-se reformar no íntimo e aja na praça pública.

Soli Deo gloria

Author: Lou Mello

Olha só, pessoal assíduo na Gruta (carinhosamente grutenses) já está careca de saber quais são as minhas graduações e tentativas de pós, etc.
Pessoalmente, não ligo muito para isso. Valorizo muito mais os meus mentores, tais como Dr. Russel P. Shedd, Dr. Zenon Lotufo Jr. e Dr. Dale W. Kietzman. Esse blog está repleto das coisas aprendidas ao longo de minha vida e isso fala por si só.
Meu espírito é missionário. Plagiando o Amir Klink, “Um homem precisa viajar… simplesmente ir ver por si mesmo”. Eu viajei bastante e ainda pretendo viajar. Quem sabe não serei portador de boas novas por aí, mais um pouco?
Atualmente, continuo acalentando o Projeto Corações Valentes, embora ele não tenha vingado ainda. Sinto falta do meu filho Thomas, ele, através de seu sofrimento, me deu essa ideia, antes de partir para a próxima dimensão.
Além de ter lecionado (Ef. Física e Teologia), ensino organizações não lucrativas cristãs a conseguir sustento sem mendigar e, também, tento ajudar as pessoas a crescerem através da mudança comportamental. Sonho, ainda, treinar professores em prática de ensino, quem sabe…
A Gruta surgiu como a forma ideal para a prática de escrever e me livrar dessa coisa interior pressionando meu peito com potencial para me matar.
Também gosto música, literatura em geral, educação e astronomia (minha segunda paixão secreta, Ih falei).
Pena o tempo perdido fazendo falta agora, mas isso não tem remédio.

About Lou Mello 901 Articles

Olha só, pessoal assíduo na Gruta (carinhosamente grutenses) já está careca de saber quais são as minhas graduações e tentativas de pós, etc.
Pessoalmente, não ligo muito para isso. Valorizo muito mais os meus mentores, tais como Dr. Russel P. Shedd, Dr. Zenon Lotufo Jr. e Dr. Dale W. Kietzman. Esse blog está repleto das coisas aprendidas ao longo de minha vida e isso fala por si só.
Meu espírito é missionário. Plagiando o Amir Klink, “Um homem precisa viajar… simplesmente ir ver por si mesmo”. Eu viajei bastante e ainda pretendo viajar. Quem sabe não serei portador de boas novas por aí, mais um pouco?
Atualmente, continuo acalentando o Projeto Corações Valentes, embora ele não tenha vingado ainda. Sinto falta do meu filho Thomas, ele, através de seu sofrimento, me deu essa ideia, antes de partir para a próxima dimensão.
Além de ter lecionado (Ef. Física e Teologia), ensino organizações não lucrativas cristãs a conseguir sustento sem mendigar e, também, tento ajudar as pessoas a crescerem através da mudança comportamental. Sonho, ainda, treinar professores em prática de ensino, quem sabe…
A Gruta surgiu como a forma ideal para a prática de escrever e me livrar dessa coisa interior pressionando meu peito com potencial para me matar.
Também gosto música, literatura em geral, educação e astronomia (minha segunda paixão secreta, Ih falei).
Pena o tempo perdido fazendo falta agora, mas isso não tem remédio.

Be the first to comment

Leave a Reply

Seu e-mail não será publicado.


*