A Gruta do Lou

Confesso, deveria estar no banquete dos deuses…

Enfim, mais um ano terminando. Pensávamos, há exato uma ano atrás, que estaríamos em São Paulo capital, a uma hora dessas. Mas não deu. Além disso, esse período de festas está sendo uma dura provação para mim. Sei o quanto Deus é grandioso, porém complexo, indecifrável e sem nenhum senso de humor, na maioria das vezes. Se eu fosse ele, daria ordem aos anjos que me servissem no deserto. Nem precisaria ser com toda aquela pompa e fartura com que serviram a Jesus, depois da tentação. Uma coisinha básica mesmo, já estaria ótimo. Bom, mas Deus não tem um décimo da minha bondade, muito menos o meu charme, como você sabe.

Antigamente, éramos educados para engolir nossas queixas goela abaixo. Quando um pai estava de tromba caída, ninguém ousava lhe dirigir palavra que não fosse gentil. Em nossos dias, essas atitudes mais polidas devem ter derretido junto com as geleiras da Antártida. Pessoal cai matando, enchendo as feridas abertas com sal e muita pimenta. Tem cada insinuação… que para ser insensível precisaria galgar as montanhas todas da sensibilidade.

Sei que sou uma grande anta, esse animal grande e burro que me desculpe a comparação. Os burros também. Claro que, com toda a minha sapiência super reconhecida, deveria estar banqueteando ao lado dos deuses como o Papa, Bill Gates, Steve Jobs, Mark Zukenberg, Warren Buffer, Malafaia, Gondim, Ed, Edir, Tonicodemus, etc., e tantos outros que nem me ocorrem agora. No ano passado, escrevi um post com o vídeo do Napoleon Hill inserido e o Brabo me cobrou, depois, por eu ser pobre, apesar de ler esses caras da Auto-Ajuda, fora outras atitudes que ele nem suspeita, como ministrar cursos para ajudar pessoas em situação de pindaíba, sem falar nessa proposta ridícula do blog, em favor de gente que vive em gruta, admirando as sombras e sem a menor coragem para sair e conhecer os fatos em loco. No fim, é com esse bando de perdedores que tenho andado. E não é por falta de avisos…

O que o Brabo e a maioria dos mortais leitores esquecem é que em minha ilimitada estultice, para piorar, sou do tipo que tem enorme dificuldade em aplicar os princípios e ensinamentos contidos em minhas leituras, na minha vida prática. Na hora que estou no meio da briga, sopapos para lá e para cá, não me lembro dessas insignificâncias. Só depois, quando começo a contabilizar as perdas, é que minha memória size formiga começa a vomitar essa sabedoria, quase sempre inútil. Basta para exemplificar, o quanto sei das sabedorias bíblicas e como é reduzida a utilização que faço disso tudo.

Escrevo isso para evitar-lhe o trabalho de tentar me criticar nos comentários, com a classe que lhe caracteriza. Mesmo porque, quando um cara não me critica com classe, exerço minhas prerrogativas de moderador, sem qualquer parcimônia e mando o comentário inoportuno arder no inferno, para não usar expressão mais chula ainda. Tá pensando o que? Aprendi isso com a turma do Tonicodemus, acho.

Tudo bem, vamos tentar tudo de novo. Há de chegar o ano, e tomara que seja 2011, em que pese sua somatória numerológica altamente negativa, quando nossos sonhos se realizarão, como voltar a morar e viver em nossa cidade amada, apesar dos pesares, poder sobreviver na base de receber salário justo por uma jornada honesta de trabalho, quem sabe até enriquecer um pouco e, sobretudo, tratar nosso filho como é preciso e ajudar no encaminhamento dos outros. Bastará ser um pouco mais esperto, pelo menos, e praticar algo do meu proverbial saber.

No fim, o que tem perdurado é o blog, para minha surpresa, inclusive. Não costumo ser tão constante assim. Tirando o casamento, um assombro de durabilidade para um ser tão inconstante quanto sou, que em raríssimas vezes terminou o que começou, a Gruta já entrou para o rol das minhas constâncias. Creio que meu casamento e a Gruta estão inseridos na lista dos tais “até que a morte os separe”. Tomara que você faça parte dela, também… e que não seja no ano que vem. Pelo menos eu, espero viver tanto quanto Enoque. Se está ruim aqui, sei lá o que me aguarda depois dessa. Dizem que o inferno é ainda pior, imagine.

OPS: Olha, pode ser que haja alguma grande surpresa aqui, até o dia 31. Ando com uma coceira danada em favor de usar meu ministério profético para fazer previsões para o ano que está chegando. Se fosse você não perderia essa.


 

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

2 thoughts on “Confesso, deveria estar no banquete dos deuses…

  1. Sabe Lou, somos muito parecidos. A diferença entre nós deve ser a idade somente, acho.
    A verdade é que neste nosso mundo quem manda é o diabo. Deus só manda lá no céu mesmo. Aqui as coisas são diferentes.
    O próprio Jesus veio pra cá e deu no que deu. Mataram-no e até hoje acreditamos que sua morte possa fazer-nos algum bem.
    Talvez o único bem seja a lição de que este mundo é do diabo e se quisermos ir em frente, fazer a “vontade de Deus”, há uma cruz bem à nossa frente.
    Do contrário, temos o caminho largo que é bem mais cômodo e confortável. E dá mais dinheiro que, afinal, é o que interessa aqui neste reino das trevas.
    Todo dinheiro é maldito. Não há como ganha-lo de forma digna. Tudo o que façamos por dinheiro é indigno. Estamos nos domínios de Satanás meu irmão. Queres o quê? Temos que dançar conforme sua música satânica. Não vês que os que aprenderam a dançar estão se dando bem?
    Talvez um dia a morte nos livre daqui, com sorte uma morte de cruz. Aí sim as portas do paraíso se abrirão. E lá não tem esse negócio de dinheiro.
    Um grande abraço. Sei que é inútil, mas desejo que 2011 seja melhor que 2010.

    Olá grande Hernan,
    Muito bom ler um comentário seu, por aqui. Pelo jeito, você conseguiu ver o que está por trás do véu do Templo. Que bom! Aos poucos, o grupo está crescendo ou se fazendo conhecido, pois quem vê tende a ficar na moita, sem se dar a conhecer. Acho que a prudência, nesse caso, é mais do que recomendável. Há o livro do Ched Myers, “O Evangelho de S. Marcos” onde o autor descreve uma outra economia possível, extraída da páginas da Bíblia. Muito interessante e vai de encontro ao seu comentário. Agradeço muito, em nome de todos os grutenses e espero vê-lo sempre nessas bandas. Abraços para você e família, também e retribuo o voto de um 2011 melhor que 2010, embora isso ´pareça com inútil para mim, igualmente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.