A Gruta do Lou

Comentários que valem um post


Se eu quisesse as mesmas coisas que estes que me criticam querem, por certo sofreria o tanto que sofrem, ou não, talvez eu fosse capaz de sujar as mãos, ou de suar muito, ou de burlar leis, ou sei lá.

amigo, meu maior desejo é que tenham todos a vontade de aplicar a soliedariedade, pois eu quero merecer o céu e quero encontrar todos os meus irmãos lá. Lussandra

§

Eu trabalhava pra caramba lá na instituição, eles me davam dinheiro pra lanche, que eu não gastava, trazia pro lanche do meu filho. No natal eles me deram 20 reais, foi o dinheiro que recebi com mais felicidade em toda minha vida. E foi assim…Sei como é isso.. Bete

§

Medíocre é aquele que consegue ser equilibrado, permanecer no meio, não ser ateu, nem taleban; não ser rico nem pobre; não ser burro nem intelectual.
Acho que é outra definição para sábio… Rubens Osório

§


Quão cretinas são nossas prioridades quando comparadas à atrocidade monumental que estamos fazendo com o planeta. Seremos julgados em breve com a mesma inclemência e a mesma justiça com que condenamos hoje os nazistas e a Inquisição. Temos nas mãos o sangue do futuro. Paulo Brabo

João Conselheiro, que se encaixa feito luva na tua descrição de líder espiritual, arrebanhou milhares e colocou o poder em polvorosa.

Quem sabe… Rubens Osório

§

Em Linha Reta

Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.

E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.

Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,
Nunca foi senão príncipe – todos eles príncipes – na vida…

Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infâmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,

Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?

Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?

Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos – mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza

Fernando Pessoa (Alvaro de Campos) citado lembrado por Bete e oferecido por Paulo Brabo

cropped-Capricornio-PB.jpg

2 thoughts on “Comentários que valem um post

  1. Este “poema em linha recta” de Álvaro de Campos continua a retratar e muito bem a nossa sociedade. No entanto, todos nós, de uma forma diferente, despegada deste mundo, podemos ser “campeões em tudo” não em nós mas em Cristo!

  2. Fico lisonjeada, muito, por ter me incluído entre seus amigos, por te sentir tão amigo. Agradecida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *