A Gruta do Lou

Comentários poderosos e inocentes

Sharon Stone

Os comentários formam o conjunto compreendido pelo novo verbo (ainda não incorporado) blogar. Desde o início, torna-se fundamental exercitar a atividade postando diariamente e visitando os outros blogs com a missão compulsória de comentar.

Quando comecei a blogar, tive a ajuda macro do Volney e, logo em seguida, do Paulo Brabo. Durante algum tempo, eles visitavam a Gruta, diariamente, e eu o blog deles, com uma troca intensa de comentários. Isso durou até eu pegar o embalo e não precisar mais de toda a força que eles me emprestavam. Adotei essa estratégia como um aprendizado e passei a fazer o mesmo com os iniciantes que vieram depois.

Até hoje, se bem que esporadicamente, eles aparecem e deixam algum comentário. Eu mantenho uma freqüência maior nos blogs deles, por opção pessoal.

Devo confessar que essa atividade (comentar) acaba transformando-se em um exercício, até certo ponto, torturante. No meu caso, sofro quando penso ter escrito um texto legal e ninguém comenta ou, se o faz, nem sequer menciona o texto. Pior ainda é receber comentários desairosos. Uma coisa é a discordância em idéias, e isso é o que se espera, outra coisa é o cara vir com tudo, com ofensas pessoais, partindo para a ignorância só porque pensamos diferente. Talvez, os afagos e elogios incomodem, igualmente. Principalmente quando sabemos não ser merecedores.

Hoje, o Paulo Brabo postou na Bacia das Almas informando sua decisão de bloquear os comentários, de forma definitiva. Se entendi bem, seu incomodo maior são os possíveis seguidores. Tenho acompanhado uma série de comentários e textos impertinentes contra ele, suas idéias e crenças. Muitos participantes da blogosfera utilizam a estratégia de polemizar ou citar blogs e autores mais freqüentados para capitalizar audiência para seus próprios blogs. Eu fiz isso escrevendo sobre os Hernandes, o Ed e o Gondim. Sem dúvida, o Google faz a parte dele quando você inclui as palavras certas. Minha ressalva sempre foi o fato de conhecer os Hernandes pessoalmente, bem como o Ed. O Gondim eu não conheço dessa forma. Estivemos no mesmo lugar e à mesma hora algumas vezes. Liguei para ele, certa vez, para convidá-lo a ser o preletor em um evento do Exercito de Salvação que acabou sendo pilotado pelo Caio Fábio.

Se eu tivesse o poder de mudar a opinião do Paulo, diria a ele para não fazer isso. Não tanto por ele, embora mereça todo o meu apreço, mas imaginando que não poderei mais fazer meus comentários diretamente lá. Talvez o Gondim tenha influenciado nessa decisão dele, embora não acredite nisso. Acho mais provável o Paulo influenciar o Gondim.

Várias pessoas tem mantido uma freqüência legal na Gruta. Ganhei alguns amigos com isso. No caso da Gruta, compreendo ser mais difícil formar uma platéia de comentadores cults. Nós não tratamos muito de grandes questões teológicas e, muito menos, das filosóficas. No máximo, discutimos algumas crenças básicas que formam a vida cristã.

Tive alguma vontade de estudar melhor a questão do Teismo Aberto e a Teologia Relacional, mas, por falta de um monte de coisas, abortei a idéia. Acho que nosso negócio aqui é continuar insistindo e batendo na tecla de certas imbecilidades que acreditamos e praticamos sem questionar.

Creio que acontecerá com os blogs o que aconteceu com os boliches. No futuro próximo, haverá uma diminuição inevitável deles. É muito difícil escrever um texto diariamente. Muitos não estão conseguindo. Em dois anos eu vi surgir vários blogs que estão desativados, hoje.

Tenho certa facilidade para escrever. Diferentemente do Paulo Brabo que sabe escrever. Quase não tenho técnica, alguns parâmetros simples, somente. Geralmente, sento e fico olhando para o Word aberto até a idéia surgir. Quando demora, escrevo uma palavra ou uma frase e isso dispara a criatividade, geralmente. A Soninha ensinou a anotar as idéias que surgem, durante o dia, em papeizinhos. A idéia é boa, mas comigo hora falta papelzinho, hora falta caneta e acabo esquecendo. Jesus disse (evangelho de Tomé) que é necessário colocar para fora o que está dentro de você, caso contrário, isso te matará.

Sinto também por todos aqueles meninos e meninas que ficarão sem o seu exercício diário lá na Bacia. Espero que eles não parem de aparecer, pelo menos, apesar de não poder deixar mais seus comentários.

Por aqui continuaremos recebendo comentários. Nem sempre será possível replicar todos, por absoluta falta de condições. Mas garanto a leitura total.

PS: Não esqueçam que a Gruta deverá voltar para seu endereço habitual no dia 1º de setembro, salvo engano ou surpresas.

4 thoughts on “Comentários poderosos e inocentes

  1. Olá,
    mto grata pela visita. Gostei mto do seu livro finanças.
    Estou engatinhando em blog,mas já consegui uma amiga q virá aqui dar dicas práticas como:pÔr fotos, colar selos.Em breve vc. verá meu blog com cara nova.Abraços.Simone.

    Por Blogger Simone corpomente e artes, Às 1:27 PM

  2. Achei interessante este seu post sobre comentários… Como sou nova blogueira, tenho muito que aprender ainda, mas percebo que as pessoas não gostam muito de ler textos grandes…
    Eu tenho um site que é pouco comentado… então às vezes fico pensando se também não será pouco lido…

    Agora, que tem gente que gosta de comentar sempre sendo do contra, ah! isto tem…

    Até

    Por Blogger carmen, Às 7:19 PM

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *