A Gruta do Lou

Blogando diariamente

Versão Revista e Corrigida 02/12/07

Escola Pública

Ops: Não deixe de ler o artigo até o fim, onde costumo reservar o melhor.

Às vezes é bom que um santo revele seus segredos, afinal nem nós somos eternos e precisamos pensar nas próximas gerações. O bastão precisa ser passado. Nos tempos de Escola de Educação Física, essa foi uma das práticas que mais odiei ter que aprender. Custei a acreditar que todos aqueles detalhes, aparentemente imbecis, fariam diferença na hora da corrida. Pior é que fazem. Até hoje muitas equipes de revezamento, com bons velocistas, não logram êxito, por não dominarem a técnica da passagem de bastão, em toda a sua plenitude.Quando penso nessas coisas logo me vêm à mente toda a relevância desse curso que deu minha primeira graduação, ainda que psicólogos e pedagogos pensem que somos seres menos importantes. Justo eles que nem sabem o que são. Dizem que a maior dificuldade nas faculdades é classificar esses cursos menores. Ninguém sabe onde colocá-los. Uns os classificam como humanas e outros como biológicas. Na verdade, a psicologia foi inventada graças aos devaneios fantasiosos de um médico psiquiatra mal resolvido na área sexual, um tal de Sigmund Freud. Assim, todas as pessoas mal resolvidas na área sexual fazem psicologia para tentar resolver seus próprios problemas, salvo uns e outros desavisados. Não conseguem resolvê-los e tratam de esculhambar os outros.

Os pedagogos são psicólogos que se concentraram mais nas questões educacionais (pedófilos inrustidos), com raras exceções. Depois deles, a educação deteriorou-se vertiginosamente. Infelizmente, o Brasil deu uma grande contribuição nessa área, na pessoa do Paulo Freire. Sua pedagogia do oprimido é uma grande falácia e foi chupada de Aldus Husley, em termos, a quem ele nunca deu crédito. Seus experimentos foram grandes fracassos, mas como foram feitos na África, ninguém foi lá conferir o tamanho do estrago e acreditaram em seus relatos, pouco convincentes. Ninguém ouse me contestar nesse quesito, se não tiver ido lá para conferir. Alguém aí já ouviu falar em algum país africano exemplo de educação do oprimido graças à anta do Paulo Freire? A única pedagoga brasileira (que não tinha formação em pedagogia) chamava-se Maria Nilde Mascellani. Ela criou o Ensino Vocacional, o qual vivenciei como aluno, que seria a educação do século XXI, no Brasil, mas foi devidamente extinta nos porões da ditadura militar, pois colocava as escolas particulares sob risco. Nem o infeliz do Ruben Alves sabe disso. Ele teve que ir a Portugal para descobrir uma escola exemplo (A Escola da Pedra Ponte) sem saber que aqui havia algo muito mais consistente.

Em nosso país, tudo que se fala em termos de Escola Pública é hipocrisia. O ensino público foi sucateado em favor das escolas particulares, por uma questão de mercado. Escola Pública, hoje, é a escola dos pobres, apenas, onde está a raiz do consumo e tráfico de drogas e o início da nova moralidade, “a décadence“. Um bom lugar para você se esconder de missionários, pastores, evangelistas e toda essa raça de parasitas, pois eles nunca aparecem nestes lugares, coisa que fazíamos como método evangelístico nos tempos do finado do Tio Cássio. Pastores são facilmente encontrados em congressos regados a Shedd, Gondim e Ed Rene ou nos debates realizados em Shoppings nas áreas nobres das capitais.

A Educação Física, depois de Finanças, é o assunto que mais interessa ao ser humano globalizado desse mundo pós-moderno. Não estão todos voltados às questões do corpo (alimentação, exercícios, sexo e estética física em geral) depois das financeiras? Assim, sou o segundo profissional mais importante na escala da verdade da vida.

Viram? Chequei aqui sem assunto. Abri o editor de textos (uso o Word ou o ScribeFire, dependendo do tamanho da preguiça) e escrevi a primeira linha, o resto veio rapidinho. Veja quanta besteira saiu. Não fosse uma intrusa pane do sistema operacional e o post teria subido às 10:30 hs e não às 13 hs.

Share this:
Share this page via EmailShare this page via Stumble UponShare this page via Digg thisShare this page via FacebookShare this page via Twitter

4 thoughts on “Blogando diariamente

  1. Fábio

    Você está absolutamente certo. É a Escola da Ponte, mesmo. Não faço a menor idéia onde fui buscar essa pedra. Ainda bem que você viu e corrigiu. Muito obrigado.

    Como não canso de lembrar: Não sou confiável.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.