A Gruta do Lou

Blogagens, relevâncias e futilidades

Fumantes desconhecidas. Usado sem qualquer autorização prévia.

Na semana passada houve uma blogagem coletiva denominada “Um dia sem tabaco”. Não participei por razões pessoais, mas tentei colaborar lendo o post da Georgia e perguntando mais uma vez à minha esposa se ela tinha algum plano futuro de pararmos de fumar, ela ativamente e eu passivamente.

O que me intrigou foi essa blogagem anteceder a um dia sem álcool ou um dia sem drogas, pois essas dependências me parecem mais contundentes e maléficas . Claro que o tabaco também é. Particularmente, sou dependente de outras substâncias, como massas, carnes, doces, cafeína, microcomputador, blog, etc.

Em minhas escaramuças em favor de minha escravidão a algum trabalho remunerado, fui conversar com um antigo patrão cujo ofício é o tratamento de pessoas dependentes dessas substâncias malignas. Sai da entrevista animado, pois vi, por um instante, a possibilidade de retornar a São Paulo e ganhar muito dinheiro, desde que me submetesse ao trabalho de captar “clientes” com esse perfil. Passados alguns dias, estou achando que fui ludibriado, afinal meu ego tem feito algumas perguntas que não consigo responder. De qualquer modo, levei um bom tempo para me convencer a procurar essa pessoa, apesar de não acreditar ou concordar com o que ele faz. Isso me fez pensar algo horrível a meu respeito, ou seja, cheguei ao ponto do desespero e estou disposto a tudo para mudar meu estado financeiro atual.

Há um seriado novo na TV paga, em que a história se resume no caso de um professor universitário que descobre ter um câncer terminal. O homem não quer passar dessa para melhor sem deixar a família amparada. Considerando fatores como: tempo de vida, valor necessário, dificuldades de toda ordem, ele decide traficar drogas. No ano passado havia uma outra série em que uma mulher, abandonada pelo marido maldoso que ousou morrer e deixá-la na mão com filhos para criar e todas as despesas decorrentes, resolve traficar maconha.

Se você está pensando que eu pretendo virar traficante, pode tirar o cavalinho da chuva. Enganar os otários dependentes fazendo-os acreditar que podem sair desse caminho sem volta, está sendo muito mais rentável, hoje em dia. Que o diga o gajo com quem falei, ele está rico com a miséria alheia e sem cometer crimes previstos no código penal. Nada que os advogados, médicos, açougueiros e mecânicos não estejam fazendo, também. Com a vantagem que esse serviço não suja as mãos e muito menos as roupas.

Mas, como todo mundo sabe, sou pessimista e perdedor. Prefiro continuar pobre, endividado e com o orgulho intacto. Espero que a imobiliária, a cia de luz, de água e telefone continuem entendendo esse ponto. O Thomas também precisa evitar o stress e ficar calminho aguardando o dia em que poderei cuidar dele, sem falar na Dedé, Carolina e Pedro, todos na expectativa do dia em que virarei a minha própria mesa. Que eu saiba, não tenho nenhuma doença terminal, mas meu tempo de vida anda meio escasso. Para deixá-los amparados e sem dívidas precisarei encontrar algo rentável e esse não é o caso dos empregos, se bem que nem isso encontro mais.

Pensei em bolar um novo método de tratamento dos dependentes baseado na verdade. O meu ego ao ouvir tal disparate me lembrou do detalhe de que os meus outros semelhantes não atribuem valores financeiros a iniciativas com esse tolo perfil. Então, por enquanto ficarei aqui torcendo para meus credores terem problemas maiores que eu hoje e não ousarem aparecer para me incomodar com suas ameaças e agressões respaldadas pela nossa justa lei.

Alguém aí poderia fazer uma blogagem coletiva em favor dos senhores charmosos e desempregados que se tornaram blogueiros na falta de algo melhor para fazer, apesar que combater o fumo é muito mais importante do que essas bobagens como desemprego, endividamento, solidão, tristeza, depressão, etc. Deve ser por isso que gente assim tornou-se o exército do fútil Davi, com o qual ele desbancou o tarado do Saul, e depois tornou-se muito pior que se antecessor, pelo menos no ponto de vista do chifrudo Urias e do filho deserdado Adonias. Só Deus viu algo de bom nele.

Caso contrário, seguirei minha rotina mórbida e passarei mais um dia sem perspectivas e soluções. Se alguém vir Deus por aí, avise-o que continuo fiel fazendo a propaganda grátis em favor dele. Caso não o encontre, pode dar o recado via pastores, se você encontrar o Ed, o Gordim ou o Ari, dignos representantes de Deus aqui na terra.

לּהּמּ

17 thoughts on “Blogagens, relevâncias e futilidades

  1. Lembrei do filme “Ana e o Rei”, pode ser que aliar-se a uma guerra alheia possa ser a resposta. Sem garantias, é claro!

    Abraço

  2. Gostei, blogagem coletiva contra o desemprego, subemprego, endividamento, solidão, tristeza, depressão e etc. Era disso mesmo que a blogosfera estava precisando…Anime-se Lou, convoque um exército.

  3. Bete

    Com Davi deu certo devido a alguma razão não explicada na Bíblia. Veja o Projeto Coração Valente, atualmente tem quatro pessoas militando de verdade e uma delas você conhece bem, pelo menos deveria. Mas se os desempregados, endividados, tristes, etc, vierem, quem sou eu para rejeitá-los, afinal esse é o nosso propósito aqui. Quem mandou eu abrir minha boca?

  4. “trafique bíblias!”, já diziam alguns santos. e olha que no comércio popular de minha cidade tem gente ficando rica com esse esquema tão rentável =]

    abçs

  5. Filipe

    O Volney e eu já tentamos isso duas vezes, na primeira uma anta fez a minha caveira com medo do meu charme e me mandaram lamber sabão e na última ele roeu a corda ou roeram para ele, sei lá. Mas concordo, o negócio funciona.

  6. Roger

    Como ninguém é de ferro, sigo fazendo minha fezinha semanal. Já vi o post comment, ficou dez. Nem tinha percebido o quanto escrevi lá. A idéia foi dar uma mão para o Volney.

  7. Lou, a melhor maneira talvez seria vc fazer da sala de vocês um consultório meio psicológico e meio ajuda. Cobre logo na entrada, pois depois se a terapia nao der certo ao menos faturou um dindin, hahahahahah!!!

    Boa semana

    Abracos em vocês

  8. Georgia

    Sou mesmo um caso difícil. Vim ao mundo desprovido de muitos acessórios. Em outras palavras, sou um modelo standard. Por exemplo, não tenho o plugin da cobrança. O negócio de consertar computadores nunca deu certo porque meus clientes pagam se querem e quanto querem. Cobrar por conselhos então, eu não conseguiria. Mas achei sua tentativa boa. Algum leitor pode aproveitar. Obrigado.

  9. Completando o que a Georgia disse, combre bem caro e com certeza o que você aconselhar irá funcionar! O próprio cliente fará de tudo para que funcione!! Esse é o segredo, não é?

  10. Roger

    O Zenon faz isso há muito tempo. A vantagem dele é conseguir dormir de olho aberto. Então a pessoa fica lá contando a história da vida enquanto ele se delicia com o sonhos que Deus lhe dá. Agora, eu não tenho esse talento e pior, tenho a face desgovernada, conforme a pessoa vai falando ela fica se movendo em caretas intermináveis e isso torna-se muito desconfortável para as vítimas. Enfim, prometo pensar no assunto e fazer um teste com Deus, se essa for a vontade Dele… 🙂

  11. Lou, “senhores charmosos e desempregados que se tornaram blogueiros”,
    meu amigo, dizem por ai que o importante é ter charme!
    🙂
    🙂
    beijos,
    alê

  12. ´
    SERÁ QUE A ALÊ AÍ EM CIMA É A ALESSANDRA ESPÍNOLA? SE FOR, TENHO QUE RECONHECER, ESTE MUNDO (VIRTUAL) É MESMO PEQUENO. NÃO DÁ PRA SAIR A PROCURAR UMA IMAGEM COMO EU SEMPRE FAÇO, SEM TOPAR COM UM BLOG… E agora ainda , ENCONTRAR UMA CONHECIDA DE VEHAS INSÔNIAS. E PARA O LOU, VOCÊ É O BLOGUEIRO MAIS CHARMOSO QUE JÁ ENCONTREI, MAS INFELIZMENTE POR TUDO QUE MEUS REGISTROS ACUSAM AO ANALISAR TUAS PALAVRAS, VAIS CONTINUAR CHARMOSO E POBRE. MAS MUIIIITO CHARMOSO, DE UM CHARME CORTANTE E INCISIVO. VOCÊ ESCREVENDO CRÔNICAS É TAL CEIFADEIRA EM PLANTAÇÃO, RECORTA A GENTE POR DENTRO E TAL UMA ANIMAÇÃO BEM DOIDA JOGA OS PEDAÇOS PRO AR E ELES COMEÇAM A CAIR NOVAMENTE NOS SEUS RESPECTIVOS LUGARES, E TUDO SEM ANESTÉSICO. Volto a procurar imagens, não sem um certo desconforto… beijos

  13. Tania

    A Ale em questão não deve ser quem você está pensando, pois os sobrenomes são diferentes. Agradeço suas visitas, o comentário elogioso pelo qual meu ego agradece sobremaneira e peço que você insista nas visitas e comentários. Forte abraço.

  14. Pingback: Lou Mello

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *