A Gruta do Lou

Bíblia da Prosperidade, meu ato secreto

072409_1808_BbliadaPros1

     Vixe! Que dia feio. Escuro, sem sol e muito menos perspectivas. Fui à casa da viúva pobre e ela havia preparado uns bolinhos com a última porção de farinha que restava e eu comi tudo, certo de que Deus providenciaria um fluxo ininterrupto de farinha e azeite para ela. Só que, até agora, a viúva está falando sozinha e eu morrendo de vergonha. Não tenho coragem nem de olhar a cara da pobre mulher. Não sei o que dizer, tão pouco.

Elias, Eliseu, Daniel, Samuel, Raniel, enfim, esses caras eram ou são todos muito bem sucedidos. De vez em quando, me empolgo e saio dando uma de grande profeta, anjo ou pastor do Morumbi e me dou mal, muito mal. Pior é que não tenho como repor nem a farinha dela, pois minha situação se não está igual, está pior que a dela.

Mas tudo bem, o mundo dá voltas, ou seria o planeta? Não importa, assim que meu mundo virar, tratarei de comprar uma bíblia da prosperidade do Malafaya. Fica todo mundo falando mal do cara, mas começo a suspeitar que, talvez, ele esteja certo e o pessoal da Barra Funda errado. Como diria o Gerald Jampousky: “Prefiro mil vezes estar feliz, do que estar certo.” Boa teologia e boas intenções não enchem nossas barrigas, especialmente as dos nossos rebentos como frutas da oliveira.

Não sei se o maioral está querendo me dizer alguma coisa com tanta falta. É, falta isso, falta aquilo e no fim falta tudo, inclusive juventude, algo que anda fazendo muita falta na cadeira onde estou sentado. Agora entendo porque Fernando Pessoa, Machado de Assis e outros do mesmo quilate morreram pobres. Perderam tempo escrevendo aquelas coisas lindas, enquanto seus credores ficavam a ver navios, literalmente. Também entendo o Nietzsche e sua imensa raiva da igreja e dos pastores, só podia ter endoidado. Perder tempo com essa raça de víboras é a maior burrice da existência.

Meu, é preciso sair andando e colhendo o fruto das árvores plantadas no dia anterior e quanto mais cedo melhor, pois Deus ajuda quem cedo madruga, segundo meu aforista predileto. Problema é arrumar uma terrinha para plantar, além da idade e da pouca vontade, o Sarney pegou toda a terra para ele, aquele caçador de marimbondos em atos secretos de uma figa.

Mais perdido que cego em tiroteio nas ruas das favelas cariocas, tentarei ficar em pé e cuidar para não cair, como recomendou o imprudente apóstolo. Apóstolos e bispos mais eficazes tratariam de recomendar uma boa corrente e não essas tolices teológicas. Estou brabo mesmo, pode acreditar. E ainda por cima querem acabar com meu blog. Como disse o próprio: “bloguemos hoje, pois amanhã twittaremos todos”. Isso se conseguir manter a banda larga paga. Mas com a Bíblia da Prosperidade nas mãos tudo será diferente.

Capricornio PB

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

7 thoughts on “Bíblia da Prosperidade, meu ato secreto

  1. Acabar com o blog do Lou ? … derrubamos o twitter do ar , mas o blog continua !!

    É isso, e estou contando com esse apoio. 🙂

  2. Lou, se você não fosse car… ops, desprovido de cabelos, eu proporia que comprasse o gel do Marco Feliciano, também. Esse é um sinal de polidez e prosperidade; afinal, quanto mais sinal de prosperidade você tiver, mais gente acreditará na sua prosperidade e te escutará e o resto vem no bolo. rs
    Brincadeira-sem-graça à parte, parece que a proposta é encarar essa dureza da falta, existindo mais que todas as coisas pegáveis, como a prova de que a vida em si é de graça, de que ver essa graça depende da confiança incondicional, e de que qualquer valoração (moral, monetária, libidinosa) de qualquer coisa (um gesto, um objeto, uma pessoa) é produto nosso e nós é que temos que resolver.
    Aff, acho que isso não é consolo, né?
    Esquece!

    Já esqueci, mas agradeço a visita com comentário. Ah, também não achei graça alguma… 🙂

  3. Olá Lou, passei aqui só pra dar um alô e dizer que esse é meu blog (A caverna) preferido. Ler seus textos é muito prazeroso. Você sabe ser prolixo e ao mesmo tempo sucinto; profundo e ao mesmo tempo transparente, sem falar numa forte dose de bom humor, deixando seus textos iluminados e iluminando nossas vidas, parabéns.

    Forte abraço.

    Ô loco! Meu ego foi à lua agora. Mas é bom receber elogios, bom demais. Obrigado. Se tiver alguma tentação de não elogiar, expulse o demônio e elogie. 🙂

  4. Quase parafraseei Voltaire sobre si mesmo, mas é isso que penso sobre você.

    É mesmo. Agradeço seu imerecido mas apreciável elogio. Fique com Deus, sempre.

  5. Olá Lou, não comento muito mas estou sempre de olho no que vc escreve =]. Ótimo texto esse, qdo li o comecinho, lembrei de um caso verídico em que um pr tentou curar um irmão que tava cheio de pino na perna e se deu mal em rede nacional, depois da vergonha ainda ficou inventando desculpa… cara-de-pau!

    E isso de acabar com o blog é vdd? Cmo assim?
    Grande bju

    Obrigado por frequentar a Caverna e também por comentar. Particularmente, colecionei muitos insucessos, alguns compartilhados em textos passados, como o caso da surda que eu orei pela cura dos olhos ou da cerimônia fúnebre onde enalteci o defunto aos píncaros e o cara era um conhecido canalha. Acabou todo mundo na maior gargalhada, inclusive a esposa, imagine. Portanto, achei melhor sair de fina do ministério. Quanto a acabar com o blog, era só uma alusão ao fenômeno Twitter, que tem feito um estrago imenso aos blogs, mas o blog sempre estará na iminência de parar ou perder o ritmo. O tempo dirá. Um Abraço

  6. Lou mas o caso do pr que citei, era pura manipulação mesmo, tanto que na “oração” só faltava mandar que Deus fizesse o milagre, mas como não conseguiu fez o pobre do homem pensar que talvez fosse falta de fé…

    Essa é uma técnica conhecida entre esse pessoal. Mas suspeito que um cara como esse, ao ver tanta grana na conta bancária, comece a se achar um deus ou um enviado privilegiado de Deus. Lembra dos mágicos de Faraó, eles faziam grandes coisas e iludiam o povo e o chefe deles.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.