A Gruta do Lou

As Marcas da Morte

Fred Mercury

Freedy Mercury

Trago comigo as marcas da morte, disse o excelente roteirista (Babel) e diretor de cinema Guillermo Arriaga e apontou para sua careca. Foi aí que me dei conta das minhas próprias marcas da morte.

Nos tempos da Faculdade Teológica, participei de um extraordinário seminário cujo tema era A morte. O objetivo era treinar futuros pastores a lidar com a morte. O coordenador foi o excelente Pr. Silas Coutinho da Igreja Batista da Mooca, mais um que se perdeu nos braços de uma (ou mais) amante. Na verdade perdeu a boquinha em uma grande igreja. A velha mania de crucificar pecadores.

Aprendi a lidar com a morte, não apenas do ponto de vista do meu próprio enfrentamento a esse acontecimento compulsório, mas em relação às pessoas e suas reações diante dessa miserável e peçonhenta inimiga da vida.

Ao contrário de muitos adeptos do culto da morte, acredito que a morte não é coisa que se acalente. Devemos nos afastar dela o quanto pudermos, sem menosprezá-la, sobretudo porque são inúmeras as possibilidades de nos aproximarmos dela em nossas vidas. O pior é que ela vai nos invadindo dia a dia. Tudo que adquirimos em termos cognitivos, material e espiritual será levado aos braços da dama de preto, com a certeza de que a matéria, dela não passará.

Muitas pessoas tentam camuflar as marcas da mulher aranha com cirurgias plásticas, maquilagens, perucas, exercícios e muito antioxidante para combater o vírus da morte, os radicais livres. Mas a senhora da noite eterna tem muitos meios, se você conseguir algum sucesso com essa batalha em seu corpo ela mexerá nos freios do seu avião e aproveitará para levar você e mais uns duzentos, numa baciada só. Não tenham dúvida, a morte é o inimigo. Cristo fez o que fez para derrotá-la, segundo suas próprias palavras.

Geralmente, as pessoas pensam que olhamos no espelho para admirar a nossa beleza. Esse nunca foi meu caso. Mas afirmo sem medo de errar: a principal razão porque olhamos no espelho, depois de certa fase da vida, é verificar como andam as marcas da morte. Calvície, rugas, dentes faltantes, flacidez, barriga, peitos caidos, barba e cabelos brancos, etc. Ela é a única certeza, disse o poeta lúcido. A vida é a dúvida, sempre.

Jesus, aquele da Galileia, veio com uma conversa toda malandra de vida eterna e abundante. O mais surpreendente foi ter dito para não temermos, pois ele venceu a morte. Alguns acreditam que o Salvador deixou a receita: Crer nele e em suas palavras. Tomara que estejam certos. Eu também entrei nessa fila. Só que a morte avança em mim inexoravelmente. Será que a fila era a outra?

O que nos resta são as palavras eternizadas pelo homossexual e dependente de drogas Freedy Mercury, líder da banda Queen, vencido pela morte que lhe deu logo uma boa dose de AIDs: “O show deve continuar”. Uma coisa que essa senhora não gosta é de ser desafiada.

Lembro de alguns músicos cristãos o Sérgio Pimenta (que não conheci muito bem), o Djanires (que conheci bem) e o Jairinho e sua esposa, lembro ainda o grande pregador expositivo Pr. Luiz Zitti, todos eles celebravam a vida e foram tragados pelo beijo da mulher aranha prematuramente. Garanto que eles concordavam com Mercury, em termos de viver sem temer a morte.

Aprendi com meu mestre de artes marciais que o supremo conhecimento é aprender a não temer a morte. Só que o sentido ensinado por aquele homem extraordinário é de caminhar para ela sem medo, com altivez e orgulho, não de viver como se ela não existisse.

Somos um bando de psicopatas ou o que? Se a morte é inevitável por que vivemos essa ilusão toda de vida? Como diz o texto bíblico, talvez um dos mais sábios dentre todos: “Comamos e bebamos, pois amanhã morreremos.” A menos que Jesus estivesse falando a verdade (e torço por isso) e, de fato, tenha colocado a grande dama das trevas no seu devido lugar.

Capricornio PB

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

11 thoughts on “As Marcas da Morte

  1. A única certeza que tenho, é que sei que ela existe, que nos ronda, quase me levou, mas ue consegui driblá-la, e quero continuar assim por muito mais tempo.
    Enquanto puder, enquanto estiver ao meu alcance, vou fugir dela.
    Amo a vida, e quero viver ainda muito mais.
    Obrigada pela visita.
    Um abraço.

  2. Talvez a calvície não seja apenas um sinal da aproximação da morte mas sim uma prova a favor da escatologia pré-tribulacionista. Trata-se de um arrebatamento gradual que começa pelos cabelos. Assim sendo poderíamos dizer que os calvos são mais espirituais que os topetudos.

  3. Mas é morrendo que vivemos!
    O grão de trigo não frutifica se não cair na terra e morrer!

    Um abraço amigo e o desejo de uma Páscoa abençoada.
    Deixo-vos o Salmo 128:5-6

  4. Já ouviu dizer que quando ficamos mais velhos é que ficamos com tudo em cima?
    Peitos em cima da barriga.
    Barriga em cima do joelho.
    Joelho em cima do pé?

    Não foi a morte tragada pela vida?Pra nós a morte só trará mais vida.Não sabemos exatamente como será essa tal de vida eterna,mas se o Mestre falou tá falado,só espero ser alguma coisa melhor.Ele é a própria Verdade,e sendo,podemos acreditar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.