Redistribuição populacional no planeta Terra

 

 

Fiquei sabendo que o Porta Aviões São Paulo está de partida para virar ferro velho. Mais ainda, desde que chegou ao Brasil, vindo da França só saiu uma vez do porto e quebrou, tendo que ser rebocado de volta. Desde 2015, esteve atracado e em reformas. Custou 56 milhões de dólares.

Um engenheiro naval brasileiro declarou que poderíamos ter construído dez porta-aviões para atender nossas demandas, no mínimo, nos últimos vinte anos, incluindo dois ou três atômicos.

O Brasil tem domínio do ciclo atômico. Temos Usinas atômicas funcionando e processamos urânio, fora nossas reservas do produto. Mas não declaramos esse detalhe formalmente, o que nos colocaria em outras posições, como assento no Conselho de Segurança da ONU e na liderança da Aliança dos Países do Atlântico Sul.

Estranhamente, foram realizadas algumas campanhas de desarmamento dos cidadãos comuns, recentemente. Também, é muito difícil um cidadão conseguir licença para portar armas.

Qual ou quais seriam as razões desses acontecimentos? Ah, não vai me dizer que nosso país de dimensões continentais é sonho de redistribuições populacionais inconvenientes de outros continentes. Tais como, aqueles onde as pessoas dormem sobre petróleo, são adeptos de religiões excêntricas e acostumadas a regimes ditatoriais.

Fora o próprio petróleo e as reservas de água existentes por aqui. Sem falar no problema da segurança interna, completamente descontrolada e apropriada para esse tipo de fenômeno, bem ao prazer dos que desejam esse país como uma república socialista e/ou teocrática.

Se eu fosse invadir nosso país continental, escolheria o período de carnaval, vindo todo mundo como turistas e fantasiados. Ninguém notaria. Por enquanto, a rota é via fenômenos como o dos refugiados e dos imigrantes, todos amparados por ONGs, em especial as oriundas dos meios religiosos cristãos.

Isso é meio engraçado, por que esses povos detém em seus DNAs genes de ódio mortal contra cristãos e judeus. Já temos alguns acampamentos funcionando por aqui com essas pessoas. Lá recebem casa, comida, roupas, orações e carinho. Espero que não se arrependam disso.

Nós ainda não chegamos naquele tempo profetizado por Martin Luther King em seu discurso de Whasington DC, onde as pessoas darão as mãos e se abraçarão; os animais pastarão juntos na maior harmonia e felicidade com Trump e Meryl Streep se beijando publicamente . Por enquanto, até onde sabemos, estamos em guerra fria (às vezes bem quente).

Depois que estiverem aqui e um pouco de lavagem cerebral, bastará colocar uma bomba amarrada do corpo deles, uma boa metralhadora ou até mesmo um caminhão e eles farão o resto.

Na Suécia há pelo menos uma arma automática em cada casa e uma pessoa treinada para usá-la. Ao completar 20 anos, todos os rapazes Suecos fazem esse treinamento e no final, junto com o certificado, recebem a arma que levarão para casa.

Dizem que esse item foi o que mais pesou na decisão dos nazistas em não invadir esse país, na segunda guerra mundial. Além disso, eles possuem um dos mais baixos níveis de assassinatos e assaltos do planeta.

Author: Lou Mello

Olha só, pessoal assíduo na Gruta (carinhosamente grutenses) já está careca de saber quais são as minhas graduações e tentativas de pós, etc.
Pessoalmente, não ligo muito para isso. Valorizo muito mais os meus mentores, tais como Dr. Russel P. Shedd, Dr. Zenon Lotufo Jr. e Dr. Dale W. Kietzman. Esse blog está repleto das coisas aprendidas ao longo de minha vida e isso fala por si só.
Meu espírito é missionário. Plagiando o Amir Klink, “Um homem precisa viajar… simplesmente ir ver por si mesmo”. Eu viajei bastante e ainda pretendo viajar. Quem sabe não serei portador de boas novas por aí, mais um pouco?
Atualmente, continuo acalentando o Projeto Corações Valentes, embora ele não tenha vingado ainda. Sinto falta do meu filho Thomas que, através de seu sofrimento, me deu essa ideia, antes de partir para a próxima dimensão.
Além de ter lecionado (Ef. Física e Teologia), ensino organizações não lucrativas cristãs a fazer amigos para ter sustento e, também, tento ajudar as pessoas a crescerem através da mudança comportamental. Sonho, ainda, treinar professores em prática de ensino, quem sabe…
A Gruta surgiu como a forma ideal para a prática de algo que sempre gostei muito de fazer, ou seja, escrever e me livrar dessa coisa interior que pressiona meu peito com potencial para me matar.
Também gosto música, literatura em geral, educação e astronomia (minha segunda paixão secreta, Ih falei).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *