A Gruta do Lou

Angústia e Fé


Na obra de Kierkegaard, notadamente em Temor e Tremor, ele descreve a angústia desesperadora do pai de Isaque diante do sacrifício iminente do filho e a fé de Abraão. Em o Conceito de Angustia, o filósofo demonstra que a fé elimina a face temerária desse sentimento compulsório. Gosto de pensar no poder da fé como agente transformador da angustia em um sentimento útil ao ser humano.

A nossa vida é recheada de dilemas, enigmas e momentos de indecisão, para não dizer nada agora sobre a terrível sensação de desamparo a caminhar lado a lado conosco, a cada dia. A angústia se faz presente em cada um desses episódios. Para Kierkegaard, a angústia aparece ao homem com a liberdade para pecar. E quando não estamos na iminência de pecar? Como Abraão, sabemos muito bem o resultado caso Isaque seja sacrificado: a pena de morte. Mas desobedecer a Deus significa não ter fé e sem fé, a morte eterna é certeza.

Se é um problema ético, religioso, moral ou imoral, nessa hora pouco importa. Provavelmente, Deus deseja dar a Abraão uma experiência capaz de transformar a história da raça humana, ou seja, ao superar a angústia através da fé, ele tornar-se-á um intocável, alguém cujas angustias não mais o deterão.

Caçarola! Amarrar Isaque, preparar o cutelo e, sem blefe, deixar claro a Deus a minha intenção em cumprir o seu desejo malvado aparente, não é sopa, pode crer. Mas se ele quer assim, assim será. Será? Em outras palavras, mesmo em um mandamento esdrúxulo como esse, Deus não inclui, nem de leve, a possibilidade de adulterar seu caráter magnânimo. A dúvida sobre a bondade do velhinho sapeca persiste em nossos corações. A fonte de nossas angústias habita nosso ser e não será encontrada fora de nós. Deus sabe disso, coisa que nem os psicólogos têm consciência, por incrível que pareça.

Então, será a fé, independente das aparências ( e elas continuam enganadoras como sempre) o antídoto às nossas angústias, aos nossos momentos de desespero e inquietações. Suba o monte, prepare o sacrifico sem titubear, o mais ele fará. Dá para acreditar?

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

11 thoughts on “Angústia e Fé

  1. Hoje, no dia intitulado como da mentira, você e o Brabo me vem com uma conversa sobre acreditar.

    Sei não.

    Ultimamente meu senso de crença tá meio abalado, precisa de uma revisão, além da troca de algumas peças.

    Abraço Lou.

    Putz! Hoje é dia 1º de abril, nem havia me dado conta. Deve ser algum ato falho, sei lá…

  2. Uai, mano Lou,

    kadê aquele pessimismo, aquela ironia??
    Fico com o Walter só posso entender esse Post se levar em conta que hoje é 1o de Abril… tudo muito suspeito… tudo muito coerente, bonitinho… sei não.

    Juntando vc, Deus e Abraão nunca quereria estar na pele de um Isaac!

    É, bem que minha avó me avisou: “Cria fama, deita-te na cama”. Revelo a oitava maravilha da bíblia e vocês pensam que estou fazendo homenagem ao dia da mentira. Depois me chamam de chorão, pessimista, irônico. O pobre do Kierkegaard viveu para descobrir isso, ou seja: viver resume-se em Angústia e Fé. Na verdade ele descobriu a descoberta de Abraão. Verdade Dé? ÉEEEEEEE 🙂

  3. Eu seria uma pessoa em angústias mesmo que não existisse angústia nenhuma a me angustiar.

    As vezes penso que a morte vai me libertar de minhas angústias. Mas noutras penso que de repente poderá ser só o início de uma angústia maior.

    Mas não ter vindo a esse mundo também seria uma angústia, o não ser.

    Então não sei. E não saber também me angustia.


    Bete de Deus, leve Isaque ao monte e largue ele lá. Faça seu ato de Fé. Deus quer livrar você de suas angústias. Experimente.

  4. Lou, você ter linkado minha ridícula postagem “O pão nosso” no pé da sua página tem me trazido alguns dividendos…

    Só que leitor do Lou que se preza não se identifica (eu disse leitor,não leitoras…)

    Suponho que sua enfase em “leitor” se deva ao fato das leitoras se identificarem sempre, enquanto os mancebos prefiram o anonimato, certo? Agora, costumo causar esse tipo de reação nas pessoas, sim. Já me disseram. 🙂

  5. Hoje eu quero acreditar como acreditei pela primeira vez…Mas tenho que confessar, não é fácil, mas quero crer que é possível.
    Obrigada por lembrar-me que posso subir ao monte, deixar por lá, o que hoje me é muito valioso, e saber, em paz, que Ele vai cuidar de mim…e nada me fará falta.
    Obrigada!!
    Abraço meu amigo Lou (acho que já o considero assim…amigo!)

    Claro, somos amigos. Quem sabe a mais tempo do que podemos lembrar, se vasculharmos nossas histórias. Obrigado pela visita e comentário. Alegria enorme em ver suas digitais por aqui.

  6. Sim, dá! Por mais que os angustiados se angustiem e todos nós nos angustiamos, sendo seres essencialmente angustiados, para Sören Kierkegaad, o importante é o “como”. “Como o poder da FÉ existe como agente de transformação da angústia”. A Fé é o contraponto da angústia.
    Muitas vezes preferimos cultivar nossas lamúrias e reclamações,nos chafurdarmos em nossas angústias existenciais, esquecendo, ou nem querendo, já viciados que estamos, nos agarrando a todo custo, pra não subir ao monte e lá deixar no altar…Sem lembrar que um dia o Nazareno ensinou: FÉ, FÉ, mesmo que pequenininha, mas com poder suficiente para mover montanhas…

  7. Há um texto da Clarice que as pessoas usam achando muito bonitinho e como mensagem de autoestima, desdenhando o quanto ele demonstra que chegar a confiar – esse troço nomeado de fé – custa muita dor, insônia, desespero – esse troço nomeado de angústia – até o dia sagrado da perda do pudor:
    “Você pode ate me empurrar de um penhasco que eu vou dizer: E daí eu adoro voar.”

    A saga de Abraão e Isaque no monte é dramática, tanto quanto ultrapassar o limite, um rito de passagem, da angústia para a fé. Mencionar isso custa, imagine experimentar.

  8. Imagino como seja, e acho que diariamente cada desgraçado sobre essa terra tem a violenta oportunidade de celebrar esse “rito de passagem”, e passar a se considerar um mísero agraciado… Wayne Meeks fala em “viver alegremente num mundo desagradável” como a grande descoberta que o Ieshua chamava, a seu tempo, de Reino de Deus…

  9. Ô Lou, você respondeu o comentário do Rondinelly, que comentou depois de mim. Mesmo que tenha achado meu comentário ridículo, faço questão de sua resposta. Obrigada.

    Às vezes vejo o comentário fechado às minhas intromissões desastrosas e fico de bico, digo, pena fechada. Nesse, por exemplo, vi logo um jeito de fazer minhas gracinhas, sem graça. 🙂

  10. Você usou como exemplo de passagem da ANGÚSTIA para a fÉ a história angustiante de Abraão e seu filho Isaque.O sacrifício que Deus pediu ao pai,como prova de sua obediência cega na divina providência.E Abraão foi…
    O que fazemos nós,com nossos problemas diários que se amontoam?
    FICAMOS A MURMURAR.Nossos murmúrios e lamentos desculpamos com frases carregadas de teologia,filosofia e outras ias mais.Quem de nós é capaz de entregar nossos Isaques?Quem será?Quem?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.