A Gruta do Lou

Ah! As diferenças…

120208-1350-ahasdiferen1

D. Viviana, uma irmã querida de Portugal, esposa de respeitável pastor batista, seguramente uma das boas exceções nesse universo pastoral meio esculhambado, ora por causa do neo-pentecostalismo ora pelos xiitas de direita e esquerda, sempre de plantão para destruir. Ela própria uma grande alma, que viemos a conhecer via blog, perguntava nos comentários: por que tantas diferenças?

Em meio a tantas perguntas sem respostas, estamos organizando um encontro de desenvolvimento marcado para dia 09 de dezembro. Discutir aspectos éticos da captação de recursos me parece muito relevante, nesse momento, quando tanto o mundo secular quanto a igreja mandaram a ética da captação para o espaço. Espero que, pelo menos, alguns se interessem em participar, além de mim e alguns amigos do peito.

Depois o pessoal diz por aí que eu sou o louco vagabundo. Sou, mas alguns dos meus ex-colegas de seminário e outros desse mundo esquecido por Deus andam a passos largos na minha frente. Ainda sinto alguns constrangimentos diante de certos pecados. Pô! Um sujeito que além de ter feito seminário, fez mestrado nos Estados Unidos, com concentração na área teológica, inventar heresias do tipo: “fim da oração”; é inominável. Mesmo que o Raniel viesse com um decreto assinado pelo Conselho de Anjos, onde se destacassem as firmas de Miguel e Rafael, sair por aí com essa conversa é irresponsabilidade da grossa. Até o Raniel sabe que não se pode mexer na estrutura de um prédio com gente morando dentro dele.

Meu, um cara que tinha uma equipe de intercessão em sua Igreja, das maiores que se conheceu, de uma hora para outra, sair com essa, é insano. Jogou as velhinhas na lama e pisou na cabeça delas com força, até não vê-las mais, como foi o caso da líder dessa equipe e suas companheiras de súplicas. E a pessoa por quem elas mais oravam era o infeliz que lhes cortou a cabeça. Uma coisa é certa, a oração delas não funcionava. Mas daí a acabar com a oração… Pera lá! Elas se sentiam bem fazendo aquilo e isso faz toda a diferença. Espero que tenha sido só um grande mal entendido. Pastores são prolixos e umas bestas quadradas em termos de expressão, salvo exceções. As congregações costumam ser formadas por um bando de gente infantilizada e ignóbil. Daí pode ter havido grande confusão, embora não pareça ser o caso, infelizmente.

Não menos preocupante é a legião de seguidores obnóxios desses caras. Ficam por aí replicando textinhos vagabundos de um palhaço egoísta como esse. Se querem replicar porcarias escritas por um paspalho, aqui na Gruta há enorme arquivo, sirvam-se. Pelo menos, não cancelamos a oração, a comunhão, a leitura, o estudo bíblico e todas essas bobagens religiosas que praticamos há dois mil anos. Se houvesse alguma igreja que não fosse empresa lucrativa, mas uma comunidade de adoradores, em verdade, estaria por lá, também. Ser aristocrata e discutir a pobreza são hipocrisias que eu não sou capaz de suportar.

Onde residem as diferenças? Minha história registra os mais evidentes sinais e provas da minha incompetência. Para azar de minha família, não descobri isso a tempo de evitar cometer tal desatino e as maiores vítimas são minha esposa e meus filhos. Mas consegui evitar abrir uma igreja ou pastorear uma denominacional a tempo. Devia ter seguido sozinho minha sina de professorzinho de Educação Física e, jamais, ter incorrido nos equívocos conhecidos. Agora a Inez é morta e o leite está todo derramado. Por isso vivo correndo atrás da linha da bola, como prefere o Dunga. À minha frente está o prejuízo e lá longe, onde não consigo divisar, vai o sucesso.

Pelo menos não me coloquei em posição de estropiar a vida espiritual de quem quer que seja. Adoraria ser capaz de orar mais e melhor, sentar ao lado dos irmãos em cristo para estudar a bíblia nos domingos pela manhã, ouvir uma boa e motivante pregação e, antes de voltar para casa, dar um abraço forte em cada um dos meus parceiros em Cristo. Por isso prezo de todo meu coração essa gente piedosa que ora sinceramente e o faz de joelhos no chão. Gente que carrega a bíblia aonde vai me emociona. Eu sei, sou mesmo um grande tolo. Sorte desses malucos teológicos que eu não sou capaz, sequer, de mandar vir fogo do céu sobre a cabecinha deles. Se o céu mandasse sobre a minha, seria decisão acertada, também, desde que meus queridos não ficassem piores do que já estão.

Por isso há tantas diferenças, somos um grupo de incompetentes vivendo junto com alguns competentes. Deus, coitado, não tem nada a ver com essa história. Na verdade, Ele se esforça para diminuir o prejuízo. Até o seu único filho foi sacrificado contra a vontade dele para ajudar esse bando de párias e picaretas. Fazer o que?

OPS:

O encontro para uma conversa sobre Desenvolvimento (Relações Públicas e Captação de Recursos) Será na sede da ADVB – R. Treze de Maio, 1413 – Bela Vista – São Paulo – SP Dia 09 de dezembro a partir das 13:30 hs Fica perto da estação Brigadeiro do Metrô.

Presenças confirmadas:

Fábio Adiron, Andrezza Cadete Barletta, Volney Faustini, Majory Imai, Ozimar Pereira, Ana Camila Bertozzo Silva, Ludo, Bete P. da Silva, José de Souza Queiroz, Nelson Costa(de alguma forma), Larisa Hemkemeier, Florianópolis-SC , alguns outros já confirmados, eu e você. Não deixe de confirmar, por E-mail. Ah! Divulgue entre seus leitores e amigos, por favor, especialmente aqueles mais ligados à filantropia.

Obs da obs:

No dia 09 de dezembro de 2008 esse encontro aconteceu e alguns dos nomes acima e outros aparecem lá e foi muito bom para todos, se não me engano.

morcego-12

7 thoughts on “Ah! As diferenças…

  1. Amigo Lou,

    vou anotar aqui o dia do encontro e tentarei participar. Acho que Hudson Taylor é um ícone nesse assunto.

    As diferenças são boas, mas tem hora que irritam. Mas eu prefiro me irritar com a diversidade a me irritar com a monotonia, ou a uniformização nazista.

    Tenho aprendido que para podermos conversar com líderes eclesiásticos de forma efetiva, eficaz e eficiente não há outra alternativa ou receita além dessa: se apresentar como apóstolo. Na maior humildade eu digo, eu sou o apóstolo Roger. Daí pra frente tudo funciona. O cara fica puto que apareceu alguém com um topete maior que o dele. Mas ao mesmo tempo treme de medo. Ou seja, toda chateação que ele venha lhe causar já foi paga em advance e o medo dele lhe protege de chateações adicionais.

    Abrçs,

    Roger
    PS: Agora que meu segredo cairá em domínio público via Gruta terei que bolar outra alternativa. Mas essa prometo não será revelada.

    Hudson Taylor, George Miller e outros, estão nos alicerces desse edifício, sim, sem dúvida. E eles não tinha computadores. A idéia de se apresentar como apóstolo é muito boa. Pensarei sério a respeito. Apóstolo Lou Mello, hummm… o som parece bom.

  2. “Consciência”?
    Consciência?
    c o n s c i ê n c i a…

    God bless you,
    T.

    Cada dia mais e mais…

  3. Lou,

    eu tb, depois de algumas décadas desisti de dar murro em ponta de faca dentro de “denominações dominadoras com seus dominantes denominacionais”…e hoje, me pego repensando valores e idéias que “comprei” como verdades….ai ai ai … um dia vou entender tudo isso !

    ( ai que vontade de estar com vcs no dia 9 (..sniff… sniff )

    abraços

    Não podemos subestimar o inimigo. Ele tem um papo ótimo e bobeou, dançou. Todos nós compramos muita bugiganga só porque o vendedor era hábil. Especialmente aqueles capazes de mexer com nossos sentimentos. Acho que acabo de descrever a maioria dos digníssimos pastores. Você poderá entrar pelo Skype ou MSN, na hora do encontro.

  4. Louu!
    Passei por aqui e li teu enorme texto! rs

    O bom msm é ser moderado!
    😀

    um alvo difícil para a maioria

  5. Lou, respondi aos teus bolinhos lá no meu blogue!
    Olha que eu quero provar esses bolinhos, hein? :))

    E já agora, vou colar aqui um recado pra ti da Marlene.
    um abraço grande!!!

    Ah!
    e também gostaria de dizer ao Lou mello que não consigo entrar no seu blog de jeito nenhum.
    Envio abraços através de ti, Vilma.

    Se for algum fenômeno genético, eles serão do seu gosto, pois serão resultado de minha ascendência portuguesa, com certeza. Já dei opções para a Marlene acertar o acesso à Gruta, obrigado.

  6. Há um texto ótimo sobre esse tema na Christianity Today assinado por P. Yancey.

    Deixe-me contar-lhe um segredo. O Raniel, às vezes, tira a folga do anjo do Yancey para ganhar uns trocados extras.

  7. Os que sabem usar a própria bússola dificilmente se perdem,
    nem precisam de GPS.

    Onde aprendo isso?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *