A Gruta do Lou

A Palavra de Fogo de Deus

Projetei esse filme em centenas de Igrejas, na década de oitenta. Ele expressava um conceito, no qual o irmão André (fundador da Missão Portas Abertas) acreditava. O velhinho holandês dizia, repetidamente, que a missão dele era levar Bíblias onde elas não eram livres e, muito menos bem-vindas. No inicio, ele levava Bíblias aos cristãos atrás da chamada “Cortina de Ferro” (bloco controlado pela então URSS), utilizando seu próprio carro, um fusca, depois, com a formação da Missão Portas Abertas, foi possível realizar a tarefa de levar Bíblias em grande escala, tanto em termos de quantidade, como de alcance abrangente das regiões onde elas não existiam ou não eram permitidas. O ponto alto dessa fase foi a entrega, não autorizada, de um milhão de bíblias na China.

O irmão André acreditava que a Bíblia continha a Palavra de Deus, mas ia alem, pregava que essa Palavra era como fogo de Deus. Para ele, essa era a grande arma no combate às artimanhas satânicas desse mundo. Se traduzíssemos essas idéias para nossos dias, poderíamos dizer que a melhor contribuição que poderíamos dar no combate aos grandes males atuais, tais como a cobiça dos grupos petroleiros, a Guerra no Iraque, o aquecimento global, o conflito árabe israelense, as disputas em solo africano, a miséria e pobreza em diversas regiões do planeta, etc, seria continuar insistindo na distribuição e propagação da Palavra de Fogo de Deus, através da Bíblia. O Irmão André nunca recebeu nenhum crédito pela queda do muro de Berlim, mas estou seguro que seu trabalho de formiguinha foi decisivo naquele processo, não tanto pela tenacidade e completa determinação em fazer o que Deus lhe ordenara, mas porque a Palavra de Deus é poderosa.

No Brasil, temos andado na contramão dos ensinos do Irmão André, não apenas porque a base da Missão Portas Abertas daqui esteja entrega nas mãos de verdadeiras antas, cujo único fim seja garantir um emprego e certas regalias pessoais, mas porque o restante da comunidade parece ter perdido de vista o valor e o poder da Palavra de Deus, além da importância da distribuição de Bíblias e do estudo bíblico, inclusive nas igrejas. Recentemente, ganhamos a tradução NVI em português, mas ela virou objeto de disputa de interesses comerciais. A bem da missão, a Sociedade Bíblica do Brasil deveria ter licença para utilizar esse texto, mas isso não ocorreu. Em negociatas tramadas em solo norte americano, a International Bible Society licenciou a Zondervan para utilizar esse texto, na época, essa empresa detinha o controle da Editora Vida do Brasil. Por razões de ordem financeira, a Editora Vida foi repassada a um grupo argentino, quando a comunidade evangélica brasileira, sob liderança da Sociedade Bíblica do Brasil e da Missão Portas Abertas deveria ter se unido e adquirido a editora, conquistando o direito de utilizar o texto da NVI, pois é a única capaz de produzir e distribuir bíblias, como é preciso e poderia devolver a Editora Vida à administração competente do Pr. Eude Martins, hoje cumprindo tarefas de Relações Públicas para a Sociedade Bíblica. Assim, as piranhas predadoras da Palavra de Deus seguem ganhando de goleada, por aqui, salvo engano.

Outro detalhe importante a mencionar é que o Irmão André ganhou, a partir de certo ponto, a ajuda inestimável do pessoal de Desenvolvimento da CRM (Christian Resource Management) que permitiu a expansão através de um bem sucedido projeto onde aliou-se a participação das pessoas de espírito cristão à consecução da tarefa de levar bíblias mundo a fora. Aqui no Brasil, embora tentássemos insistir em implantar os conceitos de Desenvolvimento, a comunidade evangélica tratou de mantê-los bem afastados. Poucas são as organizações missionárias que mantém serviço de marketing direto com seus contribuintes, um dos pilares do Desenvolvimento.

Provavelmente, o filme A Palavra de Fogo de Deus deve ter ido parar em algum arquivo morto da Missão Portas Abertas, se tanto. Hoje eles distribuem DVDs com historinhas de muçulmanos que apanham ou sofrem por se converterem ao cristianismo. Perdeu-se o ideal do Irmão André e, pior, a força da arma mais eficaz na tarefa de propagar o amor de Deus (Jesus) nesse mundo tenebroso, a Bíblia. Sem falar no descarte de gente altamente capaz em dedicar-se à obra de Deus, com todo o coração como o Robson Ramos , o Volney , o Pr Eude, o Rubinho e euzinho, claro, fora tantos outros cristãos valorosos, homens e mulheres dos quais não se tem mais notícias.

לּהּמּ

OPS: Sei que a maioria das pessoas que deixa seu comentário por aqui conta com a recíproca em seus blogs. Infelizmente, estou tecnicamente impedido de retribuir, por enquanto. A telefonica pediu novo prazo de 72 horas para resolver nosso problema, que já venceu inclusive. Assim que puder acessar via Banda Larga, encherei todos os blogs com meus impertinentes comentários, a ponto de levá-los a repensar esse princípio. 🙂

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

8 thoughts on “A Palavra de Fogo de Deus

  1. O que me perturba é saber que o país que mais tem bíblias no mundo (suponho), seja o principal pivô dos “grandes males atuais, tais como a cobiça dos grupos petroleiros, a Guerra no Iraque, o aquecimento global, o conflito árabe israelense”…

  2. Tuco
    Boa! Também não sei se o dito país é o maior detentor de bíblias. Uma vez vi um dado dando conta que as bíblias em espanhol lideravam o ranking dentre as produzidas, até aquela data. O fato é que a Palavra de Deus não causa o impacto ideal lá, tanto quanto cá. Sempre será o homem quem fará a diferença. Se a bíblia estiver na estante a vida toda, nada acontecerá, certo? Mas meu ponto aqui era enfatizar a importância da Bíblia no centro da Missão. Longe de mim querer esgotar assunto tão mais abragente.

  3. Protesto contra a inclusão de meu nome na lista dos “descartados”. Primeiro, não me julgo à altura de gente do porte do Volney, por exemplo; segundo porque creio que a obra de Deus é feita “no mundo” e não em organizações eclesiásticas, pára-eclesiásticas ou aeclesiásticas.
    Tenho dito.

  4. Rubinho

    A idéia não foi enfatizar o “descartado”, mas o fato de gente tão boa quanto você estar por aí fora da Missão, enquanto certas antas fartam-se na terra onde mana o leite e o mel ao mesmo tempo em que não fazem nada em termos da propagação do evagelho da paz, figuradamente, claro.

  5. Sim, eu me lembro de ter lido “O contrabandista de Deus” quando era adoldescente. Me recordo também que cristãos (a)fundamentalistas o criticavam por estar praticando um ato ilegal.

  6. Lou,

    Sobre o irmão André, pelo seu livro “Força da Luz”, parece que agora ele está se dedicando mais ao mundo muçulmano, ao Oriente Médio. Concordo com o Rubens Osorio. A missão é a vida em Cristo!
    “Assim como o Pai me enviou, assim também eu vos envio”, disse o Senhor.
    Para Ele a missão cabia na pobreza, na fraqueza, num só par de sandálias, num cajado, etc, e não precisava nem de bolsa, nem alforje (Lucas 10).
    Nós, hoje, quando pensamos em missão, pensamos numa empresa de divulgação e propagação da informação doutrinária que a igreja —seja ela qual for— tem para contar ao mundo. Daí haver toda essa necessidade de se criar uma estrutura empresarial para a “missão”.
    O problema é quando a coisa vira um fim em si mesmo. Graça e Paz.www.juberdonizete.blogspot.com/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.