A Gruta do Lou

A Igreja do Século XXI

Amigo dos bons tempos, não que o atual não o seja, Nelson Bomilcar deu entrevista ao programa Papo na Rede sobre o recém lançado livro de sua autoria “Os Sem Igreja”, devidamente propagado aqui na Gruta.

Resolvi assistir a entrevista porque pelo que conheço do Nelson ele é e sempre foi um bom papo. Sem falar que, considerando o tema da conversa ( a saber, o mesmo do livro) poderia até sobrar alguma referência ao papai aqui, um sem igreja diplomado. Fique tranquilo, o Nelson lembrou mais do pessoal da música e outras pessoas relacionadas às suas andanças, o que é compreensível. Além do mais, citar alguém como eu, seja para mal ou para bem, pode não pegar bem, em certos meios. Embora, acredito que o Nelson falaria muito bem, se precisasse falar a meu respeito.

Se você assistir o programa, clicando no link acima, verá o Nelson emocionar-se ao citar os filhos. Também verá o Bregantim tentando falar mais do que o entrevistado. Meu pai trabalhou em radio e TV. Depois que foi descartado pelo meio, ensinava como se devia fazer o trabalho ao seu único espectador, euzinho, se bem que compulsório. Sobre entrevistadores ele vivia lembrando, faça uma pergunta curta e objetiva e depois deixe o entrevistado falar, quanto quiser e como quiser. Só interfira se perceber que a vítima travou.

A certa altura da entrevista, Nelson e Bregantim falam sobre um tal novo modelo de Igreja, em um tom de algo inusitado. Desde que venho frequentado igrejas, não precisa lembrar-me que sou um sem igreja, ainda estou muito ligado a igrejas, sem fazer parte de nenhuma delas, tenho visto o pessoal em busca de inovação. Novas estratégias, métodos, atrações, etc. Eu mesmo, entre os produtos que ofereço em minha consultoria, está o marketing para igrejas. Não recebo muitos chamados para isso, talvez porque ofereça algo tendo por base um modelo ético e bíblico. Imagino que o pessoal queira novidades e pelo que o Nelson e seu entrevistador estimam, deva ser uma New Age Church. Coloco em inglês, porque toda novidade costuma falar nessa língua. Fatalmente, todo mundo está de olho nos EUA para ver qual é a próxima onda a seguir. Uma igreja cibernética, digital, globalizada, ou o que?

Muitos me confundem como alguém a fim de matar e enterrar a igreja. Algumas pessoas não me trataram bem, por lá, é verdade. Os caras da Missão Portas Abertas, versão brasileira, por exemplo, foram primorosos, nesse aspecto. A maioria membros da Igreja Batista do Morumbi, dos tempos do Ari Velloso. Mas isso foi nos tempos em que se usava KS, telex e mimeografo. O pessoal de agora progrediu muito, eles tem até aqueles sistemas de atendimento automático para mensagens de E-mail. Para mim, nada depõe pior do que esses atendimentos mecanizados eletronicamente. O Ari, toda vez que me encontrava dizia a mesma coisa: sempre que olho ponho os olhos em você me lembro do Humberto e sinto-me em grande dívida com ele. Na verdade, ele se lembrava de duas vítimas do eventos Portas Abertas, em parte bancado por ele, o Humberto e eu.

Sabe, talvez eu decepcione agora. Ontem, o Roger do blog Teologia Livre (também com data marcada para terminar), um amigo desses tempos de Blog e Internet, conversava comigo via Twitter dizendo: “Acho q, no fundo, alguém só sai de uma igreja – ou qualquer outra organização – quando essa sai dele e/ou o tira.” Minha resposta a isso foi: “Na verdade, minha intenção não é destruir a igreja, mas salvar o que ainda resta de bom, se restar”.

Olhando para o que aconteceu com Jesus em sua missão e suas escaramuças em sinagogas e no Templo, somando a isso, sua forma despojada de congregar com seus seguidores e numa passada pelo Antigo Testamento e aquela atitude exótica de todo novo rei, daqueles fieis e tementes a Deus, de limpar o Templo como primeira providência, tirando de lá tudo que não era e não deveria ser; não sei se acontece o mesmo com você, mas a mim parece ser a postura de Jesus em relação à Igreja, digamos, mais organizada, algo nessa linha. Se ele não incentivou a formação de uma nova igreja com seu símbolo e foto na porta da entrada, tampouco decretou o fim da igreja organizada. Mesmo porque, de doido ele não tinha nada.

Sem correr o risco de errar por presunção, coisa a que todo inovador da igreja está arriscando fazer, a melhor estratégia a ser implantada na tal igreja do futuro, ou do novo século, seria uma igreja limpa. Limpa das abominações, dos pecados, do comércio, do triunfalismo, do clubismo, da política e tudo que não seja absolutamente espiritual. Minha casa será chamada Casa de Oração.

Essa transformação daria o tom à atividade do sacerdote, ou seja, alguém cuja atividade se resume em atividades essencialmente espirituais. Oração, estudo da Palavra e propagação das boas novas. Olha, por força das circunstâncias, ando muito por hospitais, clínicas, consultórios e sempre me pergunto, onde estarão os caras da oração. Sei como é difícil orar por doentes em hospitais, especialmente se você anunciar sua intenção, mas na igreja, ninguém colocará obstáculo ou não deveria. Pouco tempo atrás, aqui perto de casa, o pastor resolveu orar por alguns enfermos. Eu estava no fundo do templo e ouvi um cara chiar contrário à aquela atitude tresloucada do homem de Deus. Perdi o amigo, mas não perdi a piada, imprudente que sou.

Olha, se você quer ganhar dinheiro, nada contra, abra uma empresa, trabalhe bem, faça curso no Sebrae, se tiver estômago para isso, e seja feliz. O mesmo recomendo a quem aspira a vida na política. Se você é um pastor, padre, sacerdote, whatevis, não esqueça de declinar dessa função antes de partir para a nova, por uma razão muito simples, as duas funções, cada uma com sua nobreza, não combinam.

É assim que vejo a igreja organizada do futuro, uma entidade simples, voltada cem por cento às coisas espirituais, onde as pessoas desesperançadas possam buscar e encontrar uma ultima esperança, se não a primeira. Onde estejam aqueles que acreditam na solução para as causas impossíveis, enfim, onde se possa encontrar só o amor magnífico e magnânimo de Deus, de Jesus e do Espírito Santo, nas pessoas que lá estiverem.


Share this:
Share this page via EmailShare this page via Stumble UponShare this page via Digg thisShare this page via FacebookShare this page via Twitter

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.