A Gruta do Lou

A generosidade cristã em 1º de Maio

Dia primeiro de maio, por ser o dia do trabalho, não me traz coisas boas. Primeiro porque sou anátema quando o assunto é trabalho e depois foi o dia em que o Senna morreu. Ser brasileiro me faz pensar que a reencarnação existe e o Brasil seria o lugar de dois tipos de reencarnados: de um lado os mais atrasados ainda em estágio primitivo vivendo filosofias do homem da caverna e de outro os que têm crédito a receber e escolheram recebê-lo em oportunidades para torturar e matar pessoas primitivas.

A Globo encontrou um brasileiro com 108 anos vivendo nos Estados Unidos e em bom estado de conservação. Ele disse que não come coisas industrializadas e a reporter traduziu para carne vermelha, e ele depois acrescentou que só come um pedaço de peixe raramente. Talvez seja porque andam criando frangos e galinhas com transgênicos e isso encurta a vida. Senti na reportagem que o velhinho com cara de mais novo que eu usa a teoria dos anti-oxidantes, em parte. Ele acha que andar todos os dias também ajuda.

Ainda estranho as pessoas buscando a vida longa, dependendo da vida que se tem não seria grande vantagem esticá-la. Se não deu certo nos primeiros sessenta anos, quem garante que em mais sessenta daria? As pessoas são muito doidas mesmo.

Bom, mas se o grande deus do trabalho deu o ar da graça dele hoje, gostaria de colocar meu pedido na fogueira, só para lembrar que ainda não posso me dar ao luxo de viver sem trabalhar. Além de não ter a fé necessária, embora desejasse, não sou bem quisto em lado nenhum. Os capitalistas me acham um esquerdista safado e os comunistas me vêem como um reacionário desgraçado. Tem os cristãos ortodoxos que me consideram um liberal excomungado e os cristãos neo-ortodoxos que me acham ortodoxo e fariseu demais. Meu sonho recorrente é um monte de gente correndo atrás de mim para me matar e, quando olho para trás, vejo todo mundo lá.

Embora não trabalhe quase nada, por motivo das forças ocultas, não tenho qualquer isenção quanto ao pagamento das contas. Nessas horas penso em Jesus e como todos foram condescendentes com ele. Ele nunca trabalhou na vida e ninguém jamais o chamou de vagabundo. As mulheres e os pescadores pagavam as contas dele, na boa. Depois ele vem com aquela conversa de que sofreu as nossas dores… Dá para acreditar?

Se o povo soubesse que o trabalho é o grande substrato do capitalismo e seus apologistas pelegos dos manda-chuvas do capital, morreriam todos de ataque cardíaco fulminante, a um só tempo. Manda quem tem grana e obedece quem não tem. Um cara rico levou o cachorrinho de estimação lá para a Universidade de Piracicaba de helicóptero, em um centro de tratamento de animais considerado um dos mais avançados do mundo. Resultado, trouxe o dog de volta para casa são e vivo. O nosso jaz no terreno atrás da igreja por não ter sido tratado a tempo e da maneira necessária.

Será que o maioral lá de cima dará a mim o mesmo que deu ao nosso caozinho de estimação? Pelo menos é o que se vê, até aqui, Ele e tal igreja dele. Não falo de grana, mas de generosidade em termos de oportunidades. Grutenses são gente como qualquer um.

Viva o primeiro de maio, viva o trabalho, viva o emprego e viva os filhos de Deus e suas hermenêuticas sanguinárias e desumanas. Segunda feira vou à luta mendigar e tentar salvar o que ainda não se perdeu e pronto para os “nãos” com cara de tristeza falsa. Dura essa vida de pedinte e mendigo. Entendo os ladrões como poucos, pelo menos a cara das vítimas deles tem muito pouco de falsidade.

Matogrosso quis gritar
Mas em cima eu falei
Os “home tá cá” razão
“nóis arranja” outro lugar

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

3 thoughts on “A generosidade cristã em 1º de Maio

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.