A Gruta do Lou

A arte suprema

O primeiro passo a dar é tornar-se consciente de que o amor é uma arte, assim como viver é uma arte; se quisermos aprender como se ama devemos proceder do mesmo modo por que agiríamos se quiséssemos aprender qualquer outra arte, seja a música, a pintura, a carpintaria, ou a arte da medicina ou da engenharia.

Quais são os passos necessários para aprender qualquer arte?

O processo de aprendizado de uma arte pode ser adequadamente dividido em duas partes: uma, o domínio da teoria: a outra, o domínio da prática. Se eu quiser aprender a arte da medicina, devo conhecer os fatos a respeito do corpo humano e de várias doenças. Quando tiver todo esse conhecimento teórico, de modo algum serei competente na arte da medicina. Só me tornarei mestre nessa arte depois de grande prática, até que os resultados de meu conhecimento teórico e os da minha prática acabem por mesclar-se numa só coisa: em minha intuição, essência do domínio de qualquer arte.

Além, entretanto, de aprender a teoria e a prática, há um terceiro fator necessário para que me torne mestre em qualquer arte: o domínio da arte deve ser questão de extrema preocupação; nada deve existir no mundo de mais importante do que essa arte. Isso é verdade quanto à música, à medicina, à carpintaria e quanto ao amor.

Talvez aí esteja a resposta à indagação sobre os motivos pelos quais a gente de nossa cultura tão raramente tenta aprender essa arte, a despeito de seus evidentes fracassos: apesar da profundamente enraizada avidez pelo amor, quase tudo mais é considerado mais importante do que o amor: o sucesso, o prestígio, o dinheiro, o poder. Quase toda a nossa energia é utilizada em aprender como alcançar e esses alvos e quase nenhuma é dedicada a aprender a arte de amar.

Erich Fromm em A Arte de Amar – Ed. Itatiaia

לּהּמּ

Ops: Tá dificil comentar, mas ando investigando os blogs por aí. Não caiam em tentação sob a falsa crença de que os abandonei por completo. Filhos meus…

6 thoughts on “A arte suprema

  1. Eu tenho uma teoria sobre a falta de amor…é simples, amar da trabalho, exige empenho e atitudes expostas, exige tempo e dedicação, paciência e muita resignação, e infelizmente, o homem está caminhando numa vida de tantas coisas “importantes” à conquistar (como está escrito: sucesso, poder, etc) que na hora de amar (que é algo que depende unica e exclusivamente de nós ), a “preguiça” se manifesta. Ou seja, ama-se pouco por preguiça de, além de tudo, também amar.

  2. Fizeste bem em citar Fromm. Li-o há muitos anos e percebo que preciso rele-lo e recomeçar o parendizado nesta arte; ainda não a domino.
    Bom fds pra vc, mano!

  3. Creio que o marcador mais importante de postagens – que dá mais ibope, mais comentário, mais link, é o do *amor*. E taí um exercício para fazer a nossa arte fluir … êpa (já tive uma inspiração pra postagem). Valeu Lou!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *