A Gruta do Lou

Quando foi isso?

 

 

“Vocês são o sal da terra. Mas se o sal perder o seu sabor, como restaurá-lo? Não servirá para nada, exceto para ser jogado fora e pisado pelos homens. “Vocês são a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade construída sobre um monte. E, também, ninguém acende uma candeia e a coloca debaixo de uma vasilha. Pelo contrário, coloca-a no lugar apropriado, e assim ilumina a todos os que estão na casa. Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus”.

Engana-se quem entende esse texto como se fosse dirigido à igreja. Não é para as igrejas protestantes, nem para a igreja católica ou igreja alguma. Essa mensagem é para as pessoas. Então vamos por aqui, enquanto seu lobo não vem.

Quando foi isso? Então, grave erro cometem as Igrejas, ou cometeriam se cumprissem o mandamento de ir e fazer discípulos, como decretou Jesus aos seus. Igrejas são organismos comercias em nossos dias e, como tal, tratam de conseguir dinheiro para se manterem vivas. Missionários de igrejas rebolam para fazer missões pois, dificilmente, as suas igrejas conseguem mante-los, em parte, pelo menos, nas suas missões. Tampouco alguma teologia, tipo a da Libertação ou o remendo atual chamado Integral, com suas intenções marotas cujo objetivo é desinformar e desconstruir para somar, segundo eles.

Mas isso importa pouco para o pessoal lá no céu. Quando Jesus vier buscar seu povo, não levará nenhuma igreja, só pessoas (ou almas) cobertas por sua graça.

O texto ai acima, foi dirigido à pessoas, seguidores dele, Mestre. Quando e onde seus discípulos cumprem o mandato de ir e fazer discípulos em “todos” os lugares e em todo o tempo, estarão sendo sal, luz e candeia no alto.

Em tese, todos os portadores de Jesus em seus corações são missionários a toda hora e lugar. Em 1979, com 28 anos, recém casado com Dedé e com nossa filha já a caminho no ventre dela, deixei tudo e fui com outro maluco igual a mim, menos esses detalhes mencionados a meu respeito, para a Albânia. Naquela época, esse pequeno país cercado pela Iugoslávia (esse país não existe mais) ao norte, oeste e sul e pelo mar Adriático ao leste, havia se declarado um país marxista-leninista (o único nesse estilo) e a primeira nação ateísta do planeta.

O regime ditatorial de extrema esquerda, liderado por um doidão chamado Enver Hoxa, oriundo das classes burguesas (?) havia pulverizado cristãos e judeus, ficando só com os muçulmanos, sem permissão para manter mesquitas ou reuniões domésticas, mas fazendo vista grossa para os colares de contas com os quais eles faziam suas preces diárias, dirigidas a Meca.

Evidentemente, sobraram alguns cristãos por lá, gente capaz de se mancar e viver na moita. A prática do cristianismo implicava em pena de morte. Nossa missão era de pesquisa, para saber mais sobre os cristãos remanescentes. Viajei de paleto e gravata com minha bíblia na mão, até Viena – Áustria, onde encontrei o Siepierski no aeroporto.

Desde a saída para Tirana nós nos tornamos turistas, tratando de esconder todos os nossos vestígios cristãos. Coloquei minha calça Lewis, camisa de missionário, botas e lá fui eu. Mesmo assim, corremos certo perigo lá, por nos metermos com outros missionários camuflados e um tanto menos sutis perto de nós e nossos cuidados para não sermos descobertos. Segundo as autoridades albanesas, dificilmente apareciam missionários cristãos lá e quando acontecia, a coisa ficava complicada. Justamente na nossa viagem, havia seis malucos (quatro rapazes e duas mulheres, um norte-americano, um holandês, duas inglesas e dois brasileiros – nós) digo, missionários cristãos, contando conosco, embora fossemos todos sal insípido.

O Senhor Jesus não usou as mesmas táticas missionárias quando veio ao nosso planeta. O danado tratou de ser sal, luz e candeeiro em lugares bem altos.

Encontramos lá na Albânia alguns cristãos e mal conseguimos conversar com eles. Fora o Museu do Ateísmo presente lá, com suas estátuas de santas capazes de chorar sangue com o mecanismo necessário para o tal milagre. Coisa de meninos sapecas. Depois de duas semanas, voltamos para Viena, sabendo muito de marxismo-leninismo em um país ateísta, sem deixar nada lá, exceto umas porções do evangelho de João que escondemos nos banheiros dos hotéis e locais visitados. Isso porque o holandês tinha levado muito e precisou de ajuda para espalhá-los.

Fui aos Estados Unidos diversas vezes. Moramos lá uma temporada e pudemos perceber, de uma maneira geral, o povo é de maioria cristã e é praticante em todas as situações. Nós montamos uma casa lá. As pessoas trouxeram as peças principais (camas, mesas, cadeiras, sofá, ferramentas de cozinha, etc.). Nós só compramos a TV. Não solicitamos nada a ninguém, fizeram porque esse é o estilo de vida deles, o estilo cristão.

Certa vez, uma família perdeu uma criança no supermercado. As pessoas de todos os cantos do país enviaram alguns dólares para eles, porque para encontrar essa criança desaparecida a primeira coisa era ter dinheiro. A família não havia solicitado. Foram inúmeros os exemplos testemunhados.

Outro detalhe importante, a maioria dos norte-americanos sabem quais são as coisas a fazer para evitar a pobreza. Produzir, trabalhar e administrar bem o país, é o principal. Jesus Cristo deixou um plano a ser executado pelos cristãos: fazer discípulos ensinando seus ensinamentos a eles. Quando Judas reclamou da mulher derramando um perfume caro sobre a cabeça do Mestre, capaz de render um bom dinheiro se fosse vendido e a renda doada aos, Jesus lhe disse: “Os pobres sempre os tereis convosco, mas o filho do homem não o tereis para sempre”.

Em Jesus é clara a preocupação com os pobres, mas nunca foi a prioridade, para Ele. Aliás, vemos isso por toda a Bíblia. Agora mesmo, estou fazendo um estudo detalhado dessa questão com o pessoal de uma Universidade dos EUA . O cristianismo praticado conforme os princípios bíblicos é capaz de muitas mudanças em nossas vidas e eliminar a pobreza de nossas vidas é uma delas. Os gringos vivem isso como pouco.

Se pensarmos no povo brasileiro, em especial, populações amontoadas em comunidades (ex-favelas), necessitando tudo e compararmos com os norte-americanos e outros povos cristãos, não será difícil perceber a necessidade de sermos discípulos de Cristo, antes de mais nada. Não estou me referindo a ser parte ou membros de alguma igreja, nada contra, claro. Mas o cristianismo não é uma igreja ou religião, segundo a vontade de Jesus. A proposta dele sempre foi voltada às pessoas e não às organizações.

Campanha da Fraternidade e outras iguais, são realizadas pelas organizações eclesiásticas para captar recursos e suprir seus gastos, geralmente grandes. A desculpa de fazer assistência social aos menos favorecidos já virou uma mania e outra vergonha nacional. A essa altura, essas pessoas e necessidades já deveriam estar equacionadas em sua maioria. Do jeito realizado por todos nós aqui, o dinheiro arrecadado dificilmente chega aos necessitados e quando chega é de forma lamentável, pois nas prioridades dessas ONGs os necessitados costumam estar no fim da fila, sem querer, claro.

Nossos governos são assistencialistas. O assistencialismo é contado em verso e prosa como a pior forma de atender aos necessitados. Há pouco tempo, a Coréia do Sul saiu de uma situação terrível de pobreza e miséria por causa da guerra com a Coréia do Norte. Bastaram vinte anos para eles saírem do limbo e se tornarem uma nação sem miseráveis. O povo arregaçou as mangas e mãos à obra. Se olharmos os princípios de vida deles, identificaremos muitas crenças iguais às cristãs.

Acredito, sem dúvida, na força superior dos princípios cristãos para a mudança de nosso país. Nós temos cinco séculos de vida como nação. Em determinados momentos, chegamos a ser um dentre os três mais ricos países do planeta. Cheguei a viver em um tempo onde favelas eram raras. Vivianos muito bem, eramos pacíficos e muito alegres. Os princípios cristãos estavam em nós e os aprendíamos, primeiramente, em casa. Os símbolos estavam por todo lado, nos tribunais, nos prédios públicos, nas escolas, principalmente nas salas de aula e nos hospitais. No natal, havia o presépio e o nascimento do menino Jesus era narrado pelos mais velhos para os mais novos. Havia orações e comunhão. Nesse tempo, vivíamos em paz.

O que ganhamos com governos de esquerda, ateus e assistencialistas? A pior situação econômica da nossa história? A maior violência jamais experimentada em todo o país? Pessoas inocentes perdendo a vida, por nada. Uma taxação via impostos jamais vista? A corrupção presente em todos os cantos dos governos? Escolas doutrinando jovens para transformar nosso país em uma ditadura de esquerda e a saúde lastimável. Até doenças radicadas há séculos voltaram nos últimos anos, por falta de saneamento básico, de norte a sul e drogas como nunca houve antes.

Assim fizeram recentemente na Venezuela e coma Rússia de 1917 a 1989? O Presidente Putin tem chamado o povo russo a viver segundo os princípios cristãos. Eles também saíram, recentemente, de uma miséria terrível, deixada pela ditadura soviética de esquerda.

A nossa missão cristã é fazer discípulos segundo os ensinamentos de Jesus de Nazaré. Com isso, o fim da pobreza também será contemplada. Seguramente, não será eternizando as “comunidades”, mas sim contribuir para elas vencerem com ética cristã e bíblica.

Portanto, minha pergunta inicial (Quando foi isso?) aponta para esse erro diabólico no qual temos nos afundado. Nosso objetivo não é e não pode ser os pobres com assistencialismo barato e eternizante. Nosso objetivo é fazer todos, pobres e não pobres conscientes do princípios cristãos e bíblicos. Assim erradicaremos não apenas a pobreza, mas a miséria, a insegurança, a falta de educação verdadeira, a mediocridade de nosso atendimento em saúde e os governos pífios, capitaneados por analfabetos sem qualquer formação necessária para administrar, sem princípios éticos, sem vergonha em suas caras e sem os ensinamentos de Cristo.

Que Deus pai os abençoe sempre e os princípios bíblicos e cristãos estejam conosco, todos os dias.

Enjoy this blog? Please spread the word :)

A Gruta do Lou participa do Programa de Associados da Amazon Services LLC, um programa de publicidade para afiliados criados para fornecer um meio para os sites ganharem comissões, vinculando-se à Amazon. Em termos mais humanos, significa se você comprar um livro na Amazon a partir de um link aqui, receberei uma pequena porcentagem de seu preço. Isso ajuda a apoiar  A Gruta do Lou , compensando uma fração do necessário para manter o site e é muito bem vindo. Muito obrigado.