A Gruta do Lou

A missão da Cabra Montesa no pico da vida

010518_1830_AmissodaCab1 A missão da Cabra Montesa no pico da vida

A Cabra Montesa

Então, ontem escrevi um texto bem transparente em termos de compartilhar minhas incucações de início de ano, consciente e interessado em saber o que as pessoas teriam a me dizer.

Algumas pessoas tiveram coragem e me deram feedbacks bem legais. Identificaram a presença dos sinais de minha depressão crônica que, geralmente, dá as caras nessa época; demonstraram sentimentos de amizade real; procuraram me dar conselhos bons e até algumas mea-culpas surgiram, para minha surpresa. A Dedé falou-me ao pé do ouvido, também.

Hoje escrevi para minha prima, uma das preocupadas, e reproduzo meu script aqui pela relevância, com alguns adendos:

“Acho estranho as pessoas viverem como se fossem eternas, a maioria sublima a morte. Pior os evangélicos com aquela bobagem de que irão para o céu, após a morte. Primeiro que céu não é lugar algum, mas um grande vácuo onde o Universo está instalado.

Poucos mencionam o Paraíso, um pouco melhor do que falar em céu, acho. Apesar de capricorniano, não sou uma cabra montesa macho, infelizmente, ainda que ela me represente, não apenas como signo, mas como missão de vida (não sou adepto da astrologia adivinhatória, antes que me perguntem).

Problema é se formos todos para o Paraíso ou onde Deus nos alojar pós mortem, será por sua bondade e entraremos nesse lugar em grande dívida para com o Magnânimo. Sei muito bem o tamanho do amor e generosidade dele, mas nos sentiremos péssimos depois de pecarmos feio durante a vida e Ele ainda nos perdoar na boa.

Pelo menos eu (e alguns outros meus conhecidos, entre eles Kierkegaard, Ap. Paulo e todos os cristãos existencialistas do pedaço) me sentirei muito mal, nesse caso.

Também não vejo como pagar pelos pecados cometidos. Nem a pior morte e/ou prisão cobriria meus deslizes no surfe dos mandamentos. E olha só, não sou o pior e nem um dos piores vagabundos picaretas do pedaço. Acabo de lembrar do Nine, não sei porque.

Enfim, só se Deus tiver guardado algum segredo para nos revelar quando lá chegarmos. Pelo menos, o Filho Dele avisou haver muitas outras revelações, mas não as faria pois não seriamos capazes de suportar naquele momento. Nisso até arrisco apostar algumas fichas da minha mínima fé.

Quem não crê em outra vida após a morte, de certa forma, sublima a morte tentando “aproveitar” ao máximo essa vida, só não entendo porque essas pessoas entendem “aproveitar” como sinônimo de pecar.

Para mim, eles estão tentando os evangélicos (não importa se protestantes, católicos ou avulsos), somente. Raros são os ateus capazes de viver suas vidas com generosidade para os outros e para si mesmos.

Quando acontece, alguns são premiados, assim perdem a remota possibilidade de ganhar o tal “Paraíso” por suas obras, segundo o Billy GraHam, pois receberam seu prêmio em vida.

Enfim, cada um vive como quer (o tal livre arbítrio). Opto pela realidade, qual seja, tenho pouco de vida pela frente, na melhor das hipóteses, uns vinte anos, com risco de boa parte deles repletos de doenças e limitações.

Isso se não me aparecer um desmancha prazeres na porta de minha Gruta, onde estarei sepultado dormindo o sono dos heróis, e me ressuscitar gritando “Lou, levanta de teu sono e sai”.

É, precisamos tomar cuidado, já aconteceu antes, principalmente se for o próprio Filho do Homem. Embora na Bíblia esteja escrito que ele não desembarcará da nave mãe, só os anjos o farão. Ele ficará observando através de algum monitor celestial, acho.

Então preciso administrar o meu tempo de vida restante da melhor forma possível. Portanto, gastar tanto tempo no Facebook e outros seria um desperdício insano para mim, nessa altura.

Pessoal me aconselhou a tentar não desfazer meu perfil só entrar esporadicamente, mas não sou confiável. Daqui para frente, necessito gastar cada minuto disponível com muito carinho.

Não tenho medo de morrer. Temo desistir de viver. Vejo as pessoas deixando suas vidas passar atrás de um smartphone, Iped, ou notebook. Todos precisam viver ao invés de esperar a morte chegar, a boca com ou sem dentes, sentados nos tronos dos nossos apartamentos ou casas apertadas.

Claro que clonei o Raul Seixas nesse finalzinho, mas não façam como ele que exagerou na dose do “viver” e enfiou os pés pelas mãos, encurtando sua vida.

O fato é, precisamos achar o jeito certo de aproveitar melhor o tempo restante de nossas vidas.”

Claro que a depressão aperta mais diante de um ano novo para quem está cheio de senões. Cada um deve se cuidar como for necessário. Não uso nem nunca usei medicamentos.

Ao invés disso, procuro ajuda na mudança comportamental e tudo isso acima tem muito a ver. Aproveito para receitar o livro do Dr. Zenon Lotufo Jr. “Crescer, caminhos para a realização pessoal” Ed. Martin Claret.

010518_1830_AmissodaCab1 A missão da Cabra Montesa no pico da vida

Comments

comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.