Redistribuição populacional no planeta Terra

 

 

Fiquei sabendo que o Porta Aviões São Paulo está de partida para virar ferro velho. Mais ainda, desde que chegou ao Brasil, vindo da França só saiu uma vez do porto e quebrou, tendo que ser rebocado de volta. Desde 2015, esteve atracado e em reformas. Custou 56 milhões de dólares.

Um engenheiro naval brasileiro declarou que poderíamos ter construído dez porta-aviões para atender nossas demandas, no mínimo, nos últimos vinte anos, incluindo dois ou três atômicos.

O Brasil tem domínio do ciclo atômico. Temos Usinas atômicas funcionando e processamos urânio, fora nossas reservas do produto. Mas não declaramos esse detalhe formalmente, o que nos colocaria em outras posições, como assento no Conselho de Segurança da ONU e na liderança da Aliança dos Países do Atlântico Sul.

Estranhamente, foram realizadas algumas campanhas de desarmamento dos cidadãos comuns, recentemente. Também, é muito difícil um cidadão conseguir licença para portar armas.

Qual ou quais seriam as razões desses acontecimentos? Ah, não vai me dizer que nosso país de dimensões continentais é sonho de redistribuições populacionais inconvenientes de outros continentes. Tais como, aqueles onde as pessoas dormem sobre petróleo, são adeptos de religiões excêntricas e acostumadas a regimes ditatoriais.

Fora o próprio petróleo e as reservas de água existentes por aqui. Sem falar no problema da segurança interna, completamente descontrolada e apropriada para esse tipo de fenômeno, bem ao prazer dos que desejam esse país como uma república socialista e/ou teocrática.

Se eu fosse invadir nosso país continental, escolheria o período de carnaval, vindo todo mundo como turistas e fantasiados. Ninguém notaria. Por enquanto, a rota é via fenômenos como o dos refugiados e dos imigrantes, todos amparados por ONGs, em especial as oriundas dos meios religiosos cristãos.

Isso é meio engraçado, por que esses povos detém em seus DNAs genes de ódio mortal contra cristãos e judeus. Já temos alguns acampamentos funcionando por aqui com essas pessoas. Lá recebem casa, comida, roupas, orações e carinho. Espero que não se arrependam disso.

Nós ainda não chegamos naquele tempo profetizado por Martin Luther King em seu discurso de Whasington DC, onde as pessoas darão as mãos e se abraçarão; os animais pastarão juntos na maior harmonia e felicidade com Trump e Meryl Streep se beijando publicamente . Por enquanto, até onde sabemos, estamos em guerra fria (às vezes bem quente).

Depois que estiverem aqui e um pouco de lavagem cerebral, bastará colocar uma bomba amarrada do corpo deles, uma boa metralhadora ou até mesmo um caminhão e eles farão o resto.

Na Suécia há pelo menos uma arma automática em cada casa e uma pessoa treinada para usá-la. Ao completar 20 anos, todos os rapazes Suecos fazem esse treinamento e no final, junto com o certificado, recebem a arma que levarão para casa.

Dizem que esse item foi o que mais pesou na decisão dos nazistas em não invadir esse país, na segunda guerra mundial. Além disso, eles possuem um dos mais baixos níveis de assassinatos e assaltos do planeta.

Author: Lou Mello

Olha só, pessoal assíduo na Gruta (carinhosamente grutenses) já está careca de saber quais são as minhas graduações e tentativas de pós, etc. Pessoalmente, dou pouco valor a tudo isso. A ajuda é sempre muito relativa. Estudei a Bíblia e ainda o faço, dei aulas em várias escolas teológicas, até o pessoal encerrar minha carreira, nessa área. Acho que não me achavam adequado, sei lá. Legal mesmo, foi viajar por aí a pampa, com destaque à missão para a Albânia, em 1979 e países da África em 1981. Depois disso rodei muito pelos EUA e Europa, mas nada demais nisso. Tenho espírito missionário, acho, mas nos EUA estava mais interessado em fazer um pé de meia. Não deu certo. Mas aprendi muito por lá, onde há muito a aprender.
Atualmente, acalento o Projeto Corações Valentes e tento manter dois ou três clientes, aos quais presto consultoria na área de Desenvolvimento (Comunicação e Captação de Recursos), algo que aprendi com os norte-americanos, campeões nessa área, , sobretudo, com Dr. Dale W. Kietzman, meu mentor em marketing para organizações não lucrativas. Entretanto, e aos poucos, acho que estou de coisa com a mudança comportamental, de tanto buscá-la para mim mesmo. Culpado disso foi o Dr. Zenon Lotufo Jr, que investiu em minha pessoa, muito além do normal. Talvez 2017 me abra algumas portas nessa área,
A Gruta surgiu como a forma ideal para a prática de algo que sempre gostei muito de fazer, ou seja, escrever e me livrar dessa coisa interior que pressiona meu peito e pode me matar. Tenho alguns projetos de livros em andamento, quem sabe ainda edito um ou alguns deles, antes de fazer a travessia.
Gosto de escrever, música, literatura em geral, educação, astronomia (minha segunda paixão secreta, Ih falei), educação física e, de vez em quando, dou um ou outro pitaco nessas áreas também. Sou o principal leitor de tudo que escrevo. Ter leitores sempre foi algo inimaginável, enfim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *