A Gruta do Lou

Deus e a Trindade

A Trindade:

O Novo Testamento não contém a doutrina desenvolvida da trindade. “Falta, na Bíblia, a declaração expressa de que o Pai, o Filho, e o Espírito Santo são de essência igual e, portanto, num sentido igual, o próprio Deus. Falta, também a outra declaração expressa de que Deus é Deus assim, e somente assim, i.é. como o Pai, o Filho e o Espírito Santo. Estas duas declarações expressas, que vão além do testemunho da Bíblia, são o conteúdo duplo da doutrina da Igreja acerca da Trindade”.

Karl Barth

Quando dava aulas em seminários, costumava fazer uma série de pegadinhas estratégicas com meus alunos, com a finalidade de conseguir algo muito raro, fazê-los pensar. Uma delas consistia em desenhar um triângulo eqüilátero (Ângulos congruentes) no quadro. No vértice superior Escrevia: Deus Espírito, no inferior à direita: Deus Pai e no inferior à esquerda: Deus Filho. Sentava em minha cadeira e fazia a chamada. Depois aguardava até algum aluno manifestar-se. Quase sempre, alguém dizia: “Professor, a figura aí está errada. Deus Pai deveria estar em cima, Deus Filho na parte inferior à direita e Deus Espírito na inferior esquerda”. Então fazia pose de pensador e ficava olhando o triângulo fixamente e depois perguntava por que. A resposta era sempre a mesma: “Porque o Deus Pai é superior ao Deus Filho que é superior ao Deus Espírito”. Sei, e onde está escrito isso? Perguntava com cara socrática.

Interessante a figura criada por Willie em A Cabana com Papai, Jesus e Sarayu, representado a trindade Deus Pai, Filho e Espírito Santo. Vozes levantaram-se, especialmente entre os dignos representantes da ortodoxia fundamentalista reacionária, onde se destaca o quase emergente Mark Driscoll, que de emergente só tem as calças de caipira lançadas no mercado pelo Manning. O cara é mais radical de direita do que o Tonicodemus.

Isso é engraçado, se não for trágico. Para mim, enquanto lia interessado, sobretudo para saber onde aquilo tudo iria dar, aquelas três figuras de Deus me faziam lembrar as tantas e tantas formas encontradas pelo Criador para manifestar-se à sua criação. Até na Bíblia podemos encontrá-las. Além de figuras humanas múltiplas, ele também aparecia para suas vítimas em formas diferentes como fogo, vento e brisa. Certa vez incorporou em uma mula para se fazer entender ao obtuso Balaão. Oh! Deus na forma de uma mulher negra? Jamais! Na forma de uma mulher asiática meiga? Nem pensar! Deus é macho tche!

Se eles soubessem que Deus é o professor de balé do Willie, ficariam horrorizados. Mas aqui na Gruta, Deus pode ser um senhor com cara de Lord Inglês ou um vendedor de pamonhas nordestino. Tanto faz. Como diz o Willie, suas opções dependem do freguês porque ele não busca os interesses próprios, mas os do próximo afim de estabelecer relacionamentos sadios e profundos.

Então, qual é a maneira correta de incluir Deus no Triângulo acima?

Share this:
Share this page via Email Share this page via Stumble Upon Share this page via Digg this Share this page via Facebook Share this page via Twitter

20 thoughts on “Deus e a Trindade

  1. Pingback: Lou Mello
  2. Eu já senti a presença de Deus, em formas e situações
    tão diferentes… mas tenho receio de passar por insana.. .melhor não comentar, fica entre Ele e eu.
    Sinceramente, não consigo formar uma hierarquia, dentro
    ou fora do triângulo.
    Vai ver, eu sou descendente de Balaão…

    Quanto a mim, Ele já precisou usar vários tipos de mulas para se comunicar comigo. 🙂

  3. Oi!
    Só para dizer que adorei o blog.

    Será que te posso pedir uma opinião? O que pensas do uso do preservativo?

    Andreia, obrigado pela visita e por seu comentário. Aqui, todos que elogiam o blog são muito bem vindos. 🙂
    Quanto ao uso do preservativo penso que ele seja desconfortável. Penso também que se alguém deseja evitar filhos, há uma forma muito mais eficaz: basta não fazer sexo. Não falha e não faz mal à saúde, principalmente da mulher.

  4. O melhor é quando ele se faz anunciar aquelas maneiras mais esdrúxulas (tanto quanto essa palavra), tipo quando me deixa com a cara de bocó – quando aparece com cara de pivete de rua me tirando de tempo, ou de uma rezadeira interrompendo meu discurso teológico: “Quem fala muito sobre Deus tá empatando ele de existir” – aha… Tem hora que ele só acha um jeito de fazer com que eu me toque: passando o maior vexame ou pagando o maior mico (tanto ele como eu). Dá raiva, é claro, mas depois eu entendo (ou não) e fico morrendo de rir (de mim e dele)…
    Quanto ao Deus pitagórico, sugiro que a gente substitua o triângulo por um círculo e bote os três pra brincar de “ciranda, cirandinha” [E não me venha com papo de respeito à Santíssima porque é quando ela tá brincando que as coisas vão bem.]

    A Idéia do circulo é boa. Poderíamos batizá-lo de “Circulo de Deus”. Não acredito que algum seminário me convide para dar aulas, nessa altura e com a fama de liberal herege que conquistei, embora isso não seja totalmente verdade, mas se o milagre acontecer, prometo utilizar o “Circulo de Deus”. 🙂

  5. Que caipira esse Driscoll!

    “Representar o Espírito como uma pomba não seria pecado, porque o próprio Deus fez isso”. Mas seria pecado venial senhores, venial! representá-lo como uma andorinha.

    É heresia, é bruta heresia transformar Deus em “uma mulher asiática meiga”, mas é plenamente bíblico adorá-lo como um misterioso ser de três faces em uma, como um triângulo equilátero estratificado. A idolatria só existe quando o significado/conteúdo a que remete o significante for uma coisa – especialmente se essa coisa for feminina ou homossexual ou negra ou asiática. Quando se tratar de uma ideia, por mais escabrosa que seja, por mais fantástica e absurda, é doce ortodoxia.

    É o que eu diria se fosse você. 🙂

  6. A Cabana é um bom livro.

    Só me questiono quanto a tamanha bondade Divina, bem expressa no livro.

    Não parece ser muito a exclusiva forma de Deus elencada na Bíblia.

    Que o Divino quer que todos sejam salvos, fato. Mas que ele é bonzinho com todos no final, tenho dúvidas.

    Bem vindo ao clube, colega. 🙂

  7. Quanto à pergunta do Lou, nunca fiz Teologia, sou LEIGA, mas creio tê-la entendido, Deus pode estar em qualquer ângulo do triângulo tendo os três o mesmo poder.

    Achei muito interessante a sugestão do Rondinelly de colocar-los num círculo, pois ficariam BEM misturadinhos…genial!

    Quanto a forma em que Ele se apresenta hoje, depende da situação e da necessidade. Manifestações de Sua Graça por puro amor a nós, em Sua eterna misericórdia.

    Todos fazem teologia, de um jeito ou de outro. Ela começa em casa quando mamãe diz: Papai do céu não gosta disso ou daquilo. Como toda boa teologia, o propósito sempre será manipular as vítimas.

  8. Lá em cima do Post você põe, Deus Pai, Deus Filho, Deus Espírito. A pergunta foi: “Em que lugar você põe Deus? “Respondi que Deus poderia ser colocado em qualquer lugar. Mas me esqueci de dizer que os três são Deus. Pegadinha,né? vai ver sou também descendente de Balaão…

    Nem cabe reclamação porque foi avisado logo no início. 🙂

  9. Esta é fácil. Quando tivermos sucesso em delimitar Deus dentro de qualquer figura geométrica ou teológica, Deus estará preenchendo precisamente o espaço não ocupado por essa figura.


    Você ganhou o prêmio. Pena que a Nelson Publishers ainda não nos enviou alguns livros para distribuirmos a quem decifra nossos enigmas. Eles preferem outro tipo de marketing, acho. Uma pena, você mereceu.

  10. Assim não vale: não dá pra brincar de geometria com um Nicolau de Cusa.

    Como diria o Nicolau, professor de física do Universitário, no meu tempo: É preciso ver o fato, mesmo quando ele não está em seu campo de visão.

  11. Pingback: prjulio
  12. Gostei da idéia do círculo (já fui pego pelas posições ‘erradas’ no triângulo umas vez…)
    Como diria o Pr. Marcelino, a diferença entre o mestre e o aluno é que o aluno pensa que sabe, enquanto o mestre… sabe. 🙂

    Obrigado pela visita.

  13. Pôxa! Tava pensando numa figura geométrica genial, daí vem o Brabo e atrapalha tudo!!!
    Tá bem, vai: a Trindade não é figura geométrica; é como a luz, tem hora que é partícula, tem hora que é onda, tem hora que é tudo junto agora.
    Alysson, saí da geometria e caí na Física! Que tal?
    Ah, Lou, o Ellul é o cara!!!

    Estou com a intenção de seguir o exemplo do Peterson e estudar o cara. Parece dar certo.

  14. Os reclamadores Alysson e Rubens foram muito oportunos, porque estávamos quase eufóricos com a algazarra herética, e vem o Paulo e aplica um golpe zen-budista. O LH lançou a bola, redondinha, aí driblamos, fizemos firulas, já quase na pequena área, o gol sem goleiro, vem o Paulo e… ao invés de meter a bola na rede, manda todo mundo pro chuveiro… Bem, mas como essa gruta não é de Qumran (ou é?), não apóio revoltas, otoridade é otoridade, acabou-se a brincadeira, todo mundo pro vestiário… (Anrã, isso foi uma provocação!)

    Quando brincamos de enigma é assim, quem o revela também determina o fim da brincadeira. 🙂

  15. “Deus é um círculo cujo centro está em todo lugar e cuja circunferência está em lugar algum” – Hermes Trismegistus

    (não se sabe se esse tal de Hermes aí existiu de fato, pelo menos foi assim que eu ouvi)

    O círculo está na moda. É engraçado como usamos símbolos para determinar épocas. Agora além de Deus ser um círculo, tem o círculo de confiança, de amigos (para manter os párias fora), e vai por aí. Não sei, gosto mais do triângulo, acho-o mais pitagórico. 🙂

  16. Essa do círculo de confiança aí é legal, me lembra um filme cujo nome esqueci cujo ator também esqueci, um babaca que não confiava no genro e vivia falando do tal círculo de confiança, hilário.

    Mas ó, Lou, dentro de um círculo estão todos os triângulos…

    Mas o mais certo dessa discussão é de longe o PB. Deus não cabe em formto algum, DDDDEEEER

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.